Fonte: OpenWeather

    Rebelião


    ‘Não há como indenizar as famílias de presos mortos’, diz Wilson Lima

    Governador do Amazonas justificou que o Estado está endividado e não há como indenizar ninguém

    | Foto: Lucas Vitor Sena/Em Tempo

    Manaus - Wilson Lima, governador do Amazonas, anunciou, na tarde desta terça-feira (28), que o contrato do Governo do Estado com a empresa Umanizzare no Completo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) encerra no próximo sábado (1º). Ele também afirmou aos jornalistas presentes que não há como indenizar famílias de presos mortos. Segundo Lima, o Estado está endividado. 

    O pronunciamento foi em entrevista na sede do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), no Aleixo, Zona Sul de Manaus. 

    A decisão vem à tona após 48h do início da última rebelião em presídios do Amazonas que resultou até o momento na morte de 55 detentos. Os assassinatos ocorreram no domingo (26) e na segunda (27). 

    Segundo o governador, irá ser feita uma cotação de preço para contratar outras empresas para administrar o Compaj. A Umanizzare deve continuar administrando o complexo até a instalação efetiva da nova empresa. 

    Famílias das vítimas 

    39 famílias dos detentos mortos nas unidades prisionais durante a última rebelião, iniciada na tarde do último domingo (26) e que continuou na segunda (27), em Manaus, foram ouvidas por equipes de atendimento psicossocial nesta terça (28). A informação foi divulgada pela assessoria da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). 

    Dos mortos na segunda, total 40, resta apenas uma família para as equipes concluírem a etapa de apresentação da documentação do representante familiar e do falecido para auxiliar na identificação, garante a Seap e o Instituto Médico Legal (IML). 

    Massacre no Compaj

    Uma indenização foi proposta pela Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) ao governo do Estado na época do massacre do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), ocorrido em 1° de janeiro de 2017. A ação teve como autor o então defensor público Carlos Alberto Almeida Filho, atual vice-governador do Estado. 

    "O Estado está no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Não temos como pagar uma indenização às famílias, infelizmente, até porque temos outras prioridades na lista, como o pagamento do 13° salário dos servidores do Estado", salientou.

    *Colaborou com informações o repórter Lucas Vitor Sena 
    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!


    Comentários