Fonte: OpenWeather

    Transferência de detentos


    “Caneco” participou de atentado a ministro do STJ em Manaus

    Jane da Silva Santos, conhecido como "Caneco", é apontado como um dos líderes da chacina ocorrida nos presídios de Manaus no domingo e na segunda-feira

    Além de "Caneco", o governo do Amazonas transferiu outros oito presos para unidades de segurança máxima
    Além de "Caneco", o governo do Amazonas transferiu outros oito presos para unidades de segurança máxima | Foto: Divulgação

    Manaus - Um dos envolvidos na chacina ocorrida nas unidades prisionais de Manaus no domingo (26) e na segunda-feira (27) é o detento Jane da Silva Santos, conhecido como "Caneco".  Ele foi transferido para um presídio federal de segurança máxima nesta terça-feira (28). Caneco é apontado como um dos autores da tentativa de homicídio contra o ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ocorrida em 2006.

    Logo após a tentativa de homicídio, em 2006, "Caneco" chegou a ficar detido no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), e tempos depois, foi transferido para um presídio federal. Em 2014, entretanto, Jane voltou ao sistema prisional do Amazonas com outros detentos, como Gelson Carnaúba, o "Mano G", e Manoel Freitas Barros, conhecido como "Manoel Tatu". "Mano G" é um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CV).

    Após retornar ao sistema prisional do Estado, Jane dos Santos chegou a ficar foragido, mas foi recapturado em 18 de novembro de 2015, em Manacapuru. Seu julgamento, enfim, ocorreu em 2016, com a condenação a 15 anos e 6 meses de prisão. 

    Além de "Caneco", o governo do Amazonas transferiu outros oito presos para unidades de segurança máxima. Entre eles, está Bruno Souza Carvalho, o "Bruno Fiel", apontado também como um dos líderes do massacre. Ele fazia parte da facção criminosa Família do Norte (FDN), e atualmente era um dos pistoleiros do CV.

    Leia mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    'Bruno Fiel', pistoleiro do CV, participou de chacina no Amazonas

    ‘Não há como indenizar as famílias de presos mortos’, diz Wilson Lima

    Comentários