Fonte: OpenWeather

    DEHS


    Envolvido na morte de sargento da PM se entrega à polícia, em Manaus

    Joelson chegou acompanhado de uma advogada e com uma bíblia debaixo do braço. Os outros dois criminosos seguem foragidos

    Joelson se entregou na DEHS durante a madrugada | Foto: Divulgação

    Manaus - Após a Justiça do Amazonas decretar a prisão preventiva de Joelson Ferreira Soares, de 23 anos; Marcley Moraes de Souza, de 20 anos, e Charles Sanches Morais, de 27 anos, um deles resolveu se entregar, no início da madrugada deste domingo (23), no prédio da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), no bairro Tancredo Neves, na Zona Leste de Manaus. 

    Joelson chegou acompanhado de uma advogada por volta de meia-noite e meia. O suspeito estava com uma bíblia debaixo do braço. Ele permanece preso em uma das celas da especializada. Marcley e Charles ainda não foram localizados e são considerados foragidos da justiça. Outro que segue preso é Josué Ferreira Soares, de 19 anos, irmão de Joelson. 

    Audiência de custódia 

    Na sexta-feira (21), Joelson, Marcley e Charles foram liberados na audiência de custódia no Fórum Ministro Henoch Reis, no bairro São Francisco, na Zona Sul da capital. A decisão de alvará de soltura foi assinada pela juíza Ana Paula de Medeiros Braga, de Custódia de Direito. 

    Entretanto, no sábado (22), a justiça voltou atrás e a juíza Luciana da Eira Nasser, do Plantão Criminal, decretou a prisão preventiva dos três envolvidos no assassinato do sargento.

    O grupo é responsável pelo assassinato do sargento reformado da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), Luís Carlos da Silva Costa, de 56 anos, morto com 10 tiros, após reagir a um assalto na noite de quarta-feira (19), enquanto fazia a segurança armada na loja de eletrodomésticos TV Lar, localizada na avenida Autaz Mirim, no bairro Tancredo Neves, na Zona Leste. 

    Uma câmera de segurança externa da loja registrou toda a ação criminosa do grupo. Luís Carlos morreu no local. Os tiros atingiram o queixo, barriga, braço esquerdo e a região lombar esquerda.

    Críticas do presidente 

    Horas antes da justiça decretar a prisão preventiva do trio, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou a soltura dos criminosos. Bolsonaro compartilhou em sua conta oficial no Twitter um vídeo do momento que Marclei, Joelson e Charles deixam o Fórum Ministro Henoch Reis, na Zona Centro-Sul da capital amazonense.

    "Marginais que executaram o Sgt Luís Carlos da Silva Castro, da PM do Amazonas, com 10 tiros, sendo 8 nas costas, saem pela porta da frente da delegacia, após serem ouvidos em Audiência de Custódia", escreveu o presidente.

    Ele comenta que o filho, Eduardo Bolsonaro, apresentou um projeto para acabar com as audiências de custódia. ''Em 2016, Eduardo Bolsonaro apresentou PDC para sustar a Resolução do CNJ que criou as Audiência'', disse.

    Leia mais: 

    Justiça decreta prisão de envolvidos na morte de sargento da PM

    Bolsonaro critica soltura de assassinos de sargento da PM do Amazonas

    Suspeitos de envolvimento em morte de PM comemoram soltura

    Comentários