Fonte: OpenWeather

    Prisão


    'Eles estão com medo de morrer', diz advogado de assassinos de PM

    Joelson e Charles se entregaram à polícia. O terceiro acusado, Marcley Moraes de Souza permanece foragido da justiça

    Joelson e Charles foram encaminhados para exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) | Foto: Divulgação

    Manaus - Os envolvidos na morte do sargento da Polícia Militar do Amazonas (PM-AM), Luís Carlos da Silva Costa, de 56 anos, estão com medo de morrer. A afirmação é do advogado dos suspeitos, Osvaldo Júnior, na manhã desta segunda-feira (24). 

    Em entrevista ao Portal Em Tempo, o advogado Osvaldo Júnior disse que todos os quatro envolvidos na morte confessaram o crime. "Eles entraram em contato comigo na noite de sábado (22). Eles afirmaram que iriam se entregar e admitiram que estavam com medo de serem mortos na rua. Só que até agora, o Marcley não apareceu e não atende mais minhas ligações. Espero que ele venha se entregar ainda hoje", disse o advogado.

    Preso na quinta-feira (20),  Joelson Ferreira Soares, de 23 anos, Marcley Moraes de Souza, de 20 anos, e Charles Sanches Morais, de 27 anos, foram liberados durante audiência de custódia na sexta-feira (21).

    Entretanto, no sábado (22), a juíza Luciana da Eira Nasser, do Plantão Criminal, acatou o pedido da Polícia Civil e decretou a prisão preventiva dos criminosos.

    No domingo (23), Joelson Ferreira Soares, de 23 anos, se entregou à polícia. Ele chegou na delegacia acompanhado de uma advogada e com uma bíblia debaixo do braço.

    Nesta segunda (24), foi a vez de Charles Sanches Morais se entregar na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Agora, somente Marcley Moraes de Souza, de 20 anos, continua foragido. O quarto integrante do grupo, Josué Ferreira Soares, de 19 anos, segue preso. 

    O delegado Paulo Martins, titular da DEHS, informou que as equipes estão realizando buscas para localizar Marcley.

    Joelson e Charles foram encaminhados para exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). A dupla ficará à disposição da Justiça no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), no quilômetro 8 da BR-174.

    O crime

    O sargento reformado da PM, Luís Carlos da Silva Costa, de 56 anos, foi executado com 10 tiros na noite de quarta-feira (19), enquanto fazia a segurança da loja TV Lar, situada na avenida Autaz Mirim, no bairro Tancredo Neves, na Zona Leste de Manaus.

    Uma câmera do circuito de segurança externo da loja de eletrodomésticos registrou o momento em que três homens chegaram ao local.

    Luís Carlos reage a ação dos criminosos e acaba sendo alvejado com vários tiros. Em seguida, o bando foge levando a pistola calibre 380 do policial. Os assassinos contaram com o auxílio de um carro, modelo HB20, de cor branca, para deixar o local. 

    A perícia criminal, do Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC), confirmou que o policial foi atingido com 10 tiros, sendo um no queixo, um na barriga, um no braço esquerdo e sete na região lombar esquerda. 

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Suspeitos de envolvimento em morte de PM comemoram soltura

    'Pimpolho' é encontrado morto dentro da própria casa no Educandos

    Comentários