Fonte: OpenWeather

    Decisão


    Justiça manda soltar PM acusado de matar colegas de farda em Manaus

    Investigado por suspeita de matar a tiros um cabo e um sargento da PM-AM, além de tentar matar um major e um borracheiro, o tenente aguardará o julgamento em liberdade

    Josemar Antunes
     

    Manaus - Preso há seis meses, o tenente Joselito Pessoa Anselmo, da Polícia Militar do Amazonas (PM-AM) - acusado de matar dois colegas de farda e ferir outras duas pessoas em Manaus - teve a prisão preventiva revogada nesta segunda-feira (8). O policial será submetido a júri popular, porém deve aguardar o procedimento em liberdade. A decisão foi do titular da 3ª Vara do Tribunal de Júri da Comarca de Manaus, juiz Mauro Antony. 

    O juiz avaliou que há indícios suficientes de autoria de homicídio (consumado) e de tentativa de homicídio. O magistrado considerou que Joselito Pessoa é acusado primário e colaborou com a instrução processual, estando, portanto, ausentes os requisitos do art. 312 do Código de Processo Penal. 

    Como medida cautelar, na sentença de pronúncia, o juiz também determinou que o acusado seja afastado da função pública de policiamento ostensivo.

    Josemar Antunes
     

    O caso

    O tenente Joselito é acusado de matar a tiros o cabo Grasiano Monteiro Negreiros e o sargento Edzandro Santos Louzada. Na ocasião, também foram baleados um major de 40 anos e um borracheiro de 25 anos. 

    O duplo homicídio e as tentativas de homicídios ocorreram na madrugada do dia 5 de janeiro deste ano, na rua Monte Horebe, no bairro Colônia Terra Nova, Zona Norte de Manaus. Os cinco homens, que estavam em uma viatura descaracterizada da PM-AM, haviam saído de uma casa de forró, localizada na avenida do Turismo, bairro Tarumã, Zona Oeste.

    Conforme denúncia apresentada pelo Ministério Público Estadual, o acusado, sem motivo aparente, sacou uma arma de fogo dentro do carro e passou a efetuar disparos contra os ocupantes do veículo.

    Versão do tenente 

    Em depoimento, Joselito disse que um veículo Honda Civic, de cor prata, com quatro suspeitos, teria passado pelo local e efetuado os disparos. Entretanto, a polícia descartou a versão dele. 

    A perícia criminal do Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC) confirmou que os tiros foram efetuados dentro da viatura.

    Bebidas no carro

    No veículo, onde estavam as vítimas, a polícia encontrou várias garrafas de bebidas alcoólicas, armas e coletes balísticos, além de outros objetos.

    Batalhão

    O tenente estava preso no Batalhão de Choque da PM-AM. Após a decisão da Justiça, ele deve aguardar o julgamento, que ainda não tem uma data definida, em liberdade. 

    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais

    Vídeo: advogado de defesa de tenente fala sobre caso de PM´s mortos

    Acontece 1ª audiência do caso do PM acusado de matar colegas de farda

    Família de sobrevivente da fúria de PM nega nova tentativa de execução

    Comentários