Fonte: OpenWeather

    Atentado


    Estudantes são liberados por suspeita de atentado em escola de Manaus

    A Seduc informou que os estudantes, responsáveis por compartilharem as mensagens com ameaças, já foram identificados e foram suspensos

    Escola Estadual Presidente Castelo Branco | Foto: Dilvugação

    Manaus - Estudantes da Escola Estadual Presidente Castelo Branco, no bairro São Jorge, Zona Oeste de Manaus, foram liberados mais cedo, por volta das 9h, nesta quinta-feira (11), por conta de um suposto atentado dentro da unidade.

    Imagens de conversas no aplicativo WhatsApp entre alunos finalistas do ensino médio revelam intenção de executar um plano de massacre na escola.

    Segundo o grêmio estudantil da unidade escolar, os alunos já estavam cientes da ameaça desde a quarta-feira (10) por conta das imagens compartilhadas entre os estudantes. 

    Mensagens afirmavam que o atentado iria acontecer nesta quinta-feira (11)
    Mensagens afirmavam que o atentado iria acontecer nesta quinta-feira (11) | Foto: Reprodução

    “Todos ficaram muito assustados. Tinha professores preocupados com essa situação. A gente não conhecia direito o menino que aparece nas fotos. Ele é sempre muito calado, não conversa com ninguém”, afirmou o presidente do grêmio estudantil, que pediu para não ter o nome divulgado.

    A direção da unidade escolar informou que o caso foi encaminhado para a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) a partir do momento que foram informados da suspeita. 

    Seduc

    Em nota, a Seduc informou que os alunos já foram identificados e que as mensagens enviadas por rede social foram apuradas e foi constatado que se trata de imagens retiradas da internet, confessado pelos próprios estudantes.

    Os alunos já foram suspensos e transferidos para outra unidade escolar
    Os alunos já foram suspensos e transferidos para outra unidade escolar | Foto: Reprodução

    A Seduc informou que os alunos envolvidos na troca de mensagens foram suspensos das aulas pelo resto da semana e estão recebendo apoio da Coordenação Psicossocial da secretaria. As aulas seguem normalmente na escola e os estudantes e professores da instituição estão sendo orientados pela Coordenadoria Regional.

    "A secretaria repudia veemente toda forma de violência, bem como manifestações em redes sociais que possam despertar insegurança no corpo escolar. Reforça, ainda, que atua por meio de diversos programas e ações no combate à violência de forma integrada em todas as escolas", informou.

    Por medida de segurança, policiais militares da  21ª Companhia Interativa  Comunitária (Cicom) foram acionados para ficar ao redor da escola caso aconteça alguma ocorrência.

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Homem é preso comercializando drogas dentro de escola no Amazonas

    Alunos de Pauini há 2 meses sem aulas por conta de obras da Seduc-AM

    Comentários