Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    PC ouvirá advogados denunciados por enganar idoso em Manaus

    Segundo a família do idoso, foi pedida uma indenização trabalhista de R$ 284 mil contra uma empresa no Distrito Industrial. O valor foi dividido em parcelas e, segundo a denúncia, os advogados já receberam a primeira no valor de R$ 26.559 mil, mas não repassaram nenhuma quantia à vítima

     

    De acordo com a  família da vítima, os advogados se apossaram de mais de R$28 mil
    De acordo com a família da vítima, os advogados se apossaram de mais de R$28 mil | Foto: Divulgação/Família

    Manaus - Os advogados José Maria Gomes da Costa e Darlene Torres dos Santos foram denunciados à Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por apropriação indébita de ganhos trabalhistas mediante ação judicial do Tribunal Regional do Trabalho no Amazonas. De acordo com a instituição policial, um Boletim de Ocorrência (B.O) foi registrado, no dia 8 de julho deste ano, na Delegacia Especializada Contra Crimes ao Idoso (DECCI), pelo industriário José Luiz Dolzanes da Silva, de 61 anos - que diz ser vítima de um golpe aplicado pelos advogados.

    Em duas ocasiões, a reportagem tentou contato com a advogada Darlene Torres, porém ela desligava o celular assim que tinha conhecimento que estava falando com a reportagem. Na última terça-feira (30), José Maria falou sobre a situação e naga qualquer envolvimento nos crimes. Ele ressaltou ainda que está com a defesa pronta para falar em juízo. 

    Segundo o boletim, o idoso informou que procurou os advogados para que ajuizassem uma ação trabalhista, em que pedia uma indenização de R$ 285 mil. A ação teve início no ano de 2015.

    Ainda de acordo com as informações contidas no B.O, o idoso informou que até o mês de junho entrava em contato com a advogada para saber o andamento da ação e a mesma sempre respondia de forma evasiva. Ainda conforme o documento, no dia 2 de julho deste ano, ele e a filha procuraram o Tribunal Regional do Trabalho, na rua Ferreira Pena, Centro, Zona Sul de Manaus, onde foram informados que a sentença da referida ação já havia sido proferida no dia 8 de abril de 2016, e os advogados haviam recebido a indenização no valor de R$ 26.559 mil, referente a uma das parcelas do acordo.

    De acordo com a delegada Andrea Nascimento, titular da DECCI, o idoso será intimado a comparecer novamente à delegacia, onde deverá prestar novo depoimento. Em seguida, "será instaurado um Inquérito Policial (IP), onde todos os procedimentos e oitivas com os envolvidos, incluindo os denunciados José Maria Gomes da Costa e Darlene Torres dos Santos, serão realizados", ressaltou a PC-AM por meio de nota.

    Após registrar o B.O, a vítima também entrou com representação na OAB-AM
    Após registrar o B.O, a vítima também entrou com representação na OAB-AM | Foto: Divulgação/Família

    Segundo com uma das filhas do idoso, a assistente social Fabimylla Frazão, de 39 anos, o pai trabalhou durante 15 anos na empresa Moto Honda da Amazônia, no Distrito Industrial, e com o passar do tempo foi adquirindo problemas de saúde. Ela explicou que o pai procurou ajuda jurídica após sair da empresa e não ter mais o apoio médico que necessitava.

    O caso

    "

    Eles foram contratados para defender os direitos trabalhistas dele, um senhor de 61 anos, contra a empresa. Depois de muita luta, em 2015, aconteceu a audiência com o juiz, só que a família não foi informada e em consequência, a advogada ganhou o caso e disse que para o meu pai que ele não ganhou a causa. Sendo, que conseguimos descobrir a verdade. Eles se apropriaram da indenização no total de R$ 26 mil”, afirmou a mulher. "

    Fabimylla Frazão, Assistente social e filha da vítima

    “Meu pai perdeu a cartilagem dos ombros esquerdo e direito, além de perder 80% da audição do lado esquerdo do ouvido e 60% do lado direito, mesmo assim continuou trabalhando. Em 2006, após os diagnósticos, ele chegou a fazer uma cirurgia médica pela empresa e, em seguida, conseguiu abrir o CAT [Comunicado de Acidente de Trabalho], depois conseguiu realizar uma cirurgia e em 2011 foi demitido da empresa”, contou a assistente social. 

    Ainda de acordo com a filha, atualmente, o pai está com a visão prejudicada e foi diagnosticado com início de glaucoma. “Recentemente, ele descobriu que está com a retina do lado esquerdo envolvida por sangue e não pode mais andar sozinho, nós [filhos] e a minha mãe estamos andando com ele para cima e para baixo correndo atrás de justiça”, afirmou a assistente social.  

    Para estranheza da família, a mulher conta que o que ouviram dos advogados foi uma conversa totalmente controversa, que assustou a todos. “Eles falaram que o juiz deu causa perdida para o meu pai, sendo que ele tem todas as provas. O que fizeram foi se aproveitar da saúde, da confiança e da vulnerabilidade dele”, afirmou a filha. 

    A família procurou os advogados, no escritório, localizado na avenida Eduardo Ribeiro, no Edifício Zulmira Bittencourt, área central de Manaus, para resolver a situação, porém ficaram impactados com o que ouviram. 

    "

    Chegamos no escritório deles, estávamos dispostos a realizar um acordo, só que acabei pegando o meu celular e gravei toda a conversa. Durante o diálogo, a advogada confessou que sacou o dinheiro e gastou em benefício pessoal. Já o outro advogado [José Maria Gomes da Costa] olhou para o meu pai e disse que isso servia de lição para ele não confiar nas pessoas "

    Fabimylla Frazão, Assistente social e filha da vítima

    Após descobrir que foi enganado, a vítima procurou a delegacia Especializada Contra Crimes ao Idoso para registrar o Boletim de Ocorrência
    Após descobrir que foi enganado, a vítima procurou a delegacia Especializada Contra Crimes ao Idoso para registrar o Boletim de Ocorrência | Foto: Divulgação/Família

     

    No dia 8 desde mês, após a confusão, a família procurou a DECCI, para denunciar o crime. Ao finalizar o processo na unidade policial, eles foram informados que havia mais dois processos em nome da referida advogada Darlene Torres pelo crime de estelionato. Assim, também procuraram a Ordem dos Advogados do Brasil no Amazonas (OAB-AM), onde denunciaram os dois advogados. 

    “Temos o contato de umas das vítimas, que afirmou que tomou todas as providências cabíveis, mas que, infelizmente, a advogada nunca pagou pelo crime e ainda continua trabalhando em exercício da profissão”, contou Frazão. 

    A advogada Darlene Torres dos Santos foi procurada pela reportagem em dois momento, por telefone. A primeira ligação foi realizada no dia 18 deste mês, na ocasião ela não quis comentar o assunto. Na tarde da última segunda-feira (29), ela atendeu a primeira ligação e sem seguida desligou o celular, não atendendo as novas tentativas de contato. 

    O escritório de advocacia 

    Na tarde dessa terça-feira (30), o Portal Em Tempo conversou com o advogado José Maria Gomes da Costa, na sede do escritório de advocacia, no Centro, Zona Sul de Manaus, que informou estar ciente de todas as acusações que envolvam a sócia [Darlene Torres].

    "Eu depositei muita confiança nela, porque na Justiça do trabalho a gente nunca pode trabalhar sozinho. Temos que ter alguém para auxiliar. Inclusive, é ela quem vai nas audiências e recebe alvará. E não é de hoje que ela faz isso. Já fui várias vezes na OAB-AM porque meus bens foram bloqueados, que ela recebeu e não repassou, e eu tive que tirar do meu bolso para pagar os indenizados", contou. 

    O advogado também negou qualquer participação nas falcatruas. "Eu já tenho a minha defesa pronta. Ela que cometeu todos esses crimes, e considero isso 'apropriação indébita' [crime previsto no artigo 168 do Código Penal Brasileiro, que consiste no apoderamento de coisa alheia móvel, sem o consentimento do proprietário]. Eu tenho R$143 mil com a Daelene, entre honorários e outros valores, que estão bloqueados por conta dessas subtrações feitas por ela", informou o advogado. 

    Durante a entrevista, o advogado afirmou que existem várias denúncias contra a advogada Darlene Torres, na OAB-AM e no Juizado de Pequenas Causas. "No momento que um cliente chega aqui, nós assinamos uma procuração que dá o direito de zelar pelo o que é do cliente, mas ela infelizmente comete os crimes. Se eu mandar ela embora, vou ter que assumir toda a responsabilidade", justificou José. 

    Questionado sobre o motivo para que a advogada Darlene Torres ainda esteja trabalhando com ele, José Maria respondeu, "Ela trabalha comigo há anos. Atualmente, está vendendo uma casa para parcelar e começar a pagar todos os clientes, que ela não abandonou. Porém, quase toda sexta-feira eu recebo uma denúncia contra ela. Como já falei, eu tenho a minha defesa elaborada. Se for pra frente as denúncias, ela que pague pelos crimes que cometeu", finalizou o advogado. 

    A Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Amazonas (OAB-AM) também foi procurada diversas vezes, para apresentar um posicionamento sobre a denúncia, que a família diz ter protocolado também no órgão. No entanto, a assessoria da instituição driblou de todas as formas o Portal Em Tempo e remarcou inúmeras vezes o prazo para se pronunciar. O último prazo venceu ontem, ao meio-dia. No entanto, o espaço continua aberto para que a Ordem dos Advogados se pronuncie sobre a situação.  

    Vale ressaltar que o espaço está aberto para a advogada se pronunciar. 

    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais: 

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no WhatsApp. Clique aqui!:

    Madrugada sangrenta em Manaus: 5 homicídios são registrados

    Homem é condenado a 66 anos de prisão por matar pai e filho no AM



    Comentários