Fonte: OpenWeather

    Investigação


    Suspeito de atirar e matar empresário é preso em Manaus

    O homem é o ultimo envolvido no latrocínio de um empresário, de 25 anos, ocorrido no dia 29 de julho deste ano, no bairro Dom Pedro

    Suspeito deve ser apresentado à imprensa, nesta terça (27)
    Suspeito deve ser apresentado à imprensa, nesta terça (27) | Foto: Divulgação

    Manaus -  Eduardo Souza da Costa, suspeito de ser o autor dos disparos que vitimou o empresário Yann Victor Fonseca Rios, de 25 anos, foi preso nesta segunda-feira (26). A informação foi confirmada pelo delegado Guilherme Torres, titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos, e Defraudações (DERFD). 

    Mais detalhes sobre a prisão de Eduardo serão repassadas somente na manhã desta  terça-feira (27), em coletiva de imprensa. 

    O crime

    A vítima foi assassinada com dois tiros, sendo um no coração e outro na barriga. O caso aconteceu no dia 29 de julho, dentro da garagem da casa da família do empresário, no conjunto Álvaro Neves, bairro Dom Pedro, na Zona Centro-Oeste de Manaus.

    Durante a ação, Eduardo efetuou tiros contra as vítimas. Yann foi alvejado com dois tiros e morreu no local. O cunhado da vítima foi baleado e encaminhado para o Hospital e Pronto-Socorro (HPS) 28 de Agosto.

    Comparsa preso horas após o crime
    Comparsa preso horas após o crime | Foto: Josemar Antunes

    Comparsa

    Em menos de 24 horas após o crime, equipes da DERFD prenderam Paulo de Tássio de Souza Picanço, de 28 anos. O suspeito registrou um Boletim de Ocorrência (BO), no 18° Distrito Integrado de Polícia (DIP), sobre o roubo de um carro. 

    Após a desconfiança da polícia, Paulo foi interrogado novamente e confessou a participação no latrocínio. Ele informou, em depoimento, que havia sido contratado por Eduardo, responsável pelos disparos à queima-roupa.

    Eduardo sabia que Yann tinha uma quantia de R$ 20 mil. Antes de efetuar dos disparos, Eduardo ainda travou uma luta corporal com o empresário. Depois fugiu levando uma pochete da vítima contendo R$ 900. 

    Comentários