Fonte: OpenWeather

    Procurado


    Viu este homem? Ele fugiu após estuprar e engravidar filha de 13 anos

    A adolescente estava grávida de 25 semanas e morreu esta semana por complicações de saúde, em Coari

    O homem abusava da filha quando saiam para pescar alimentos para a família
    O homem abusava da filha quando saiam para pescar alimentos para a família | Foto: Divulgação/PC-AM

    Coari - Tomé Silva Faba, de 36 anos, está sendo procurado por estuprar e e engravidar a própria filha, Luana Ketelen da Silva Faba, que tinha 13 anos de idade e estava grávida de 25 semanas. A adolescente morreu na quarta-feira (11), por complicações de saúde. A Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Coari, divulgou a imagem dele e conta com o apoio da população para localizá-lo e prendê-lo.

    De acordo com o delegado  José Barradas, titular da DIP de Coari, o crime aconteceu na comunidade Santa Maria do Iguapó Grande, zona rural daquele município, distante 363 quilômetros em linha reta de Manaus. Na ocasião, a adolescente, que morava com os pais, era chamada para ir pescar com o infrator, e durante a pescaria o homem mantinha relações sexuais com a própria filha.

    “A vítima foi questionada pela mãe em relação ao pai da criança. Quando ela relatou que tinha sido o próprio pai, a mãe da adolescente não acreditou. Por complicações de saúde, a menina foi levada, na quarta-feira (11/12), a uma unidade policial daquela cidade, onde entrou em trabalho de parto prematuro, ocasião em que veio a óbito. A criança está em uma incubadora, sendo devidamente atendida”, disse o delegado.

    Conforme a titular da DIP de Coari, após a tia da vítima formalizar um Boletim de Ocorrência (BO) relatando o crime, foi representado à Justiça o pedido de prisão do infrator. A ordem judicial em nome dele foi expedida no dia 5 de dezembro pelo juiz Fábio Lopes Alfaia, da 1ª Vara da Comarca de Coari.

    Disque-Denúncia

    Quem puder colaborar com informações sobre a localização de Tomé pode entrar em contato com a equipe da DIP de Coari por meio do número: (97) 3561-3124, o disque-denúncia da delegacia, “Asseguramos o sigilo da identidade dos informantes”, garantiu.

    *Com informações da assessoria

    Comentários