Fonte: OpenWeather

    busca e apreensão


    Armas de fogo e até granada são apreendidas na mansão de Givancir

    Até o momento, cinco pessoas foram presas durante o cumprimento da ordem judicial de busca e apreensão na mansão, em Iranduba, do ex-presidente dos Rodoviários de Manaus

    Givancir Oliveira renunciou ao cargo de presidente do Rodoviários de Manaus horas antes de ter a prisão decretada pela Justiça do Amazonas
    Givancir Oliveira renunciou ao cargo de presidente do Rodoviários de Manaus horas antes de ter a prisão decretada pela Justiça do Amazonas | Foto: Divulgação

    Iranduba - No final da manhã desta quinta-feira (5), policiais civis cumpriram ordem de busca e apreensão na mansão do ex-presidente do Sindicato dos Rodoviários Givancir de Oliveira em Iranduba (município distante 27 quilômetros em linha reta de Manaus). Na ocasião, foram apreendidos cinco pessoas, oito armas e quatro carros, conforme a Polícia Civil do Amazonas.

    A busca está atrelada ao processo em que Givancir é suspeito da autoria do assassinato de Bruno de Freitas Guimarães, que tinha 24 anos, e da tentativa de homicídio da prima de Bruno, uma mulher trans identificada como “Tchelsy”, ocorrido na tarde do último sábado (29), naquele município.

    Entre os materiais apreendidos, destacam-se quatro pistolas, de calibres 40, 45, 380; dois revólveres, duas espingardas, de calibre 12, quatro granadas, dois lançadores de gás de pimenta e gás lacrimogêneo.

    O advogado de defesa, Silvio Costa, informou ao Em Tempo que já tomou conhecimento da ordem judicial e que o pedido já era esperado.

    Givancir é suspeito de ter matado a tiros um jovem e ter tentado assassinar uma mulher trans
    Givancir é suspeito de ter matado a tiros um jovem e ter tentado assassinar uma mulher trans | Foto: Divulgação

    “Já era esperado. Em um processo de investigação, a polícia vai usar todos os meios necessários. Fazer quebra de sigilo telefônico, tudo isso será feito”, disse.

    Questionado sobre a suposta apreensão de armas e detenção de pessoas durante o cumprimento da ordem judicial, Silvio Costa relatou que teve conhecimento apenas que haviam policiais militares aposentados tomando conta da casa devido a constantes ameaças da população de atear fogo no imóvel.

    “Se esses policiais estavam armados, não tenho conhecimento e nem se as armas que eles estariam usando são regulares. Outro representante de defesa já está na delegacia e nesse momento está acionando a Comissão de Defesa de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Amazonas (OAB-AM), pois não estão querendo dar acesso ao inquérito para ele”, declarou.

    Parte dos materiais apreendidos na mansão
    Parte dos materiais apreendidos na mansão | Foto: Divulgação/PC

    Para concluir, Silvio Costa explicou que teve uma reunião com Givancir de Oliveira e que ele não autorizou que a defesa entrasse com qualquer tipo de habeas corpus ou relaxamento de prisão.

    “Nós entendemos que o juiz decretou a prisão dele sem nenhuma prova, tanto que ele não foi nem indiciado. A prisão foi decretada apenas com a argumentação de que ele poderia atrapalhar as investigações. Devido a isso, ele optou ficar os 30 dias preso para que não criem nenhuma situação que possa indicar que ele esteja atrapalhando as investigações”, finalizou.

    Comentários