Fonte: OpenWeather

    Prisão preventiva


    Acusado de assassinato em Iranduba, Givancir Oliveira é solto

    O ex-presidente do Sindicato dos Rodoviários do Amazonas, Givancir Oliveira, estava em prisão preventiva e conseguiu o alvará de soltura na segunda-feira (8)

    Givancir Oliveira durante coletiva de imprensa, antes da prisão preventiva
    Givancir Oliveira durante coletiva de imprensa, antes da prisão preventiva | Foto: Daniel Landazuri

    Manaus - Givancir Oliveira, ex-presidente do Sindicato dos Rodoviários do Amazonas, foi solto na última segunda-feira (8), e deve permanecer em Manaus aguardando julgamento. A decisão foi do juiz de direito Carlos Henrique Jardim da Silva, que responde pela 2ª Vara da Comarca de Iranduba.

    O alvará de soltura tem base no ‘’pacote anticrimes’’, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro de 2019 e que permite a revisão de prisões preventivas decretadas.

    O advogado de defesa de Givancir, Silvio Costa, sustentou, ainda, no documento oficial, que a soltura não compromete a ordem pública. "Não tentou empreender fuga, tendo, inclusive, se apresentado voluntariamente na delegacia, tampouco compromete a instrução criminal, razão pela qual não haveria mais necessidade de manutenção da prisão’’, diz um trecho do documento.

    Em entrevista ao Portal EM TEMPO, o advogado defendeu a inocência do suspeito, afirmando que a prisão preventiva foi realizada sem provas materiais e baseada em decisões políticas.

    "Na verdade, ele nem deveria ter sido preso, ele se apresentou voluntariamente às autoridades policiais na época do ocorrido, foi ouvido e foi liberado. Acredito que a prisão foi baseada em pressão política dos oponentes'', disse o advogado.

    "Não houve tentativa de fuga, ele prestou depoimento voluntariamente e não há provas materiais, Givancir não tentou de forma alguma interferir nas investigações. Ele permaneceu preso até ontem, injustamente'', defende o advogado Silvio Costa.

    Na decisão de soltura, o documento exige cumprimento de medidas cautelares, que incluem o uso de tornozeleira eletrônica, comparecimento semanal à justiça, entrega de passaporte, proibição de frequentar bares, casas de jogos, boates e similares.

    Givancir deverá manter recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folgas, estando somente autorizado a se locomover do trabalho para a residência.

    O acusado deve permanecer em Manaus enquanto aguarda o julgamento e está orientado a não se descolar até Iranduba sem acompanhamento policial, como forma de evitar represálias da população.

    Homicídio de Bruno

    Em fevereiro deste ano, Bruno de Freitas Guimarães foi assassinado e a prima dele identificada como “Tchelsy”, ficou gravemente ferida em uma tentativa de homicídio. Segunda a polícia, o crime seria uma emboscada e Givancir era o principal suspeito.

    O ex-presidente do Sindicato dos Rodoviários do Amazonas se apresentou voluntariamente à polícia para prestar esclarecimentos, acompanhado do advogado, e no mesmo dia foi decretado prisão temporária, que dias depois foi convertida em preventiva.

    Leia mais: 

    ‘Givancir é assassino e tem que ir para o presídio’, diz mãe de Bruno

    TJAM converte prisão de Givancir em preventiva e ele volta ao Iranduba

    Armas de fogo e até granada são apreendidas na mansão de Givancir

    Comentários