Fonte: OpenWeather

    Política


    'Quem está no governo tem que dar conta do recado', diz Eduardo Braga

    Em entrevista ao EM TEMPO, o senador Eduardo Braga ponderou sobre emprego e renda no Amazonas, os rumos da Zona Franca de Manaus. Veja o que ele disse sobre aumento da tarifa de energia

    Em entrevista ao Portal EM TEMPO, o senador Eduardo Braga (MDB)  falou sobre a atuação no Senado e opinou sobre as questões da econômicas que envolvem as reformas da previdênca e tributária.
    Em entrevista ao Portal EM TEMPO, o senador Eduardo Braga (MDB) falou sobre a atuação no Senado e opinou sobre as questões da econômicas que envolvem as reformas da previdênca e tributária. | Foto: Leonardo Mota

    Manaus -  Em entrevista ao Portal EM TEMPO, o senador Eduardo Braga (MDB)  falou sobre a atuação no Senado e opinou sobre as questões da econômicas que envolvem as reformas da previdênca e tributária. Além disso, Braga destacou a importância da manutenção da Zona Franca de Manaus e a questão da criação de empregos. 

    EM TEMPO - Como está o trâmite para manter o Polo Industrial de Manaus (PIM) e como o senhor vê a questão das reformas que estão sendo executadas pelo governo federal?

    Eduardo Braga –  Acho que o presidente Bolsonaro não é contra a Zona Franca, mas delegou ao Posto Ipiranga toda a autonomia na área da economia, em que o Posto Ipiranga é contra a Zona Franca de Manaus. O ponto de vista manifestado é que acham que incentivo fiscal não é bom para o Brasil, acham que o bom é abrir a economia, pois a a indústria brasileira vai aprender a concorrer com a indústria chinesa. Eu acho que se o Brasil fizer isso, vai acontecer com o Brasil o que está acontecendo com Venezuela, com a Argentina, pois economia da Venezuela deixou de ter uma indústria local forte, a partir do momento que o preço do petróleo subiu e passaram a importar muitos produtos que acabaram com a indústria local. E a argentina em determinado período quebrou e passou a ser um pais importador.

    Eduardo Braga diz que o Senado  é apoiador da Zona Franca de Manaus
    Eduardo Braga diz que o Senado é apoiador da Zona Franca de Manaus | Foto: Leonardo Mota

    EM TEMPO - O senhor acha que a reforma tributária afetará a Zona Franca de Manaus?

    Eduardo Braga - Acho que nenhum dos radicalismos estão certos. Existe uma reforma Tributária apresentada no Senado que respeita a Zona Franca de Manaus e as vantagens comparativas. A Reforma Tributária terá início no Senado, que será a Casa revisora da reforma, o que é um grande alivio para o Amazonas, pois o senado apresenta senadores apoiadores da Zona Franca de Manaus e da Amazônia, o que garante uma segurança política maior.

    EM TEMPO - Com essas reformas, será possível criar mais empregos?

    Eduardo Braga - Estamos precisando de crédito e financiamento, nós precisamos aprovar uma reforma tributária que reduza a carga tributária para voltar a gerar emprego e renda no país. Reforma tributária e previdência sozinhas não vão gerar empregos. É necessário  que exista recursos para financiar com juros baixos as empresas e obras de infraestrutura que o pais precisa. Isso irá gerar um círculo virtuoso de geração de economia para gerar emprego e renda de forma sustentável. Não será apenas em um ano que iremos crescer para retomar o tempo perdido desde 2010 até agora.

    EM TEMPO - O atual governo vai conseguir melhor negociação com outros países, após a aprovação dessas reformas?

    Eduardo Braga: O cenário internacional não é um dos melhores e isso atinge diretamente o Brasil. Não temos um cenário internacional favorável ao crescimento econômico. Mas o mercado interno brasileiro é muito grande. Se fizermos o nosso papel independentemente do governo e apenas pensando no Brasil e no brasileiro, eu acredito que a partir de 2020 vamos começar a sair da crise.

    Precisamos combater a corrupção com transparência e exercer o estado democrático de direito para todos exercerem seus direitos, sem autoridades. O Brasil é um país muito grande e tem a 8º economia no mundo. E hoje todos nós precisamos discutir a Reforma da Previdência, pois ou resolve o problema ou o Brasil vai à falência.

    Com a Reforma da Previdência e uma sinalização boa da reforma tributária para valer em 2021, o cenário vai mostrar ao mundo que o Brasil é um lugar seguro e confiável para investir e consequentemente vai fazer com mais empregos surjam, melhore na infraestrutura, na saúde, melhore na infraestrutura, que o país volte a investir e a qualidade de ensino suba e outras coisas.

    Quem está gerindo a política pública tem que ter prioridades na saúde, da educação, na infraestrutura. Para o brasil gerar emprego e o povo ter saúde para trabalhar e viver melhor e ter uma educação que garanta uma preparação melhor aos brasileiros.

    EM TEMPO – O senhor citou corrupção e foi citado na Lava-Jato, mas disse ter provado sua inocência e contou com 648 mil votos para reeleição como Senador. Tivemos escândalos na saúde no Amazonas, um novo governador, mas fomos classificados como a 5ª capital mais perigosa. Como avalia tudo isso? 

    EB– Acho que quem está no governo tem que dar conta do recado. Não pode deixar o Amazonas se transformar nessa situação que está, que não acontece há muitos anos, não importa se é novo ou velho. Tem que ser competente.

    Em relação a ser citado, eu tenho 38 anos de vida pública. Não tenho condenação na minha vida. Neste pais ninguém prova e apresenta nada e é julgado. O povo sabe quem eu sou, o povo sabe de onde eu sou e dei conta do recado em todos os cargos em que estive. Construímos uma Manaus mais moderna, que não tinha sistema viário, infraestrutura, melhoramos o saneamento, fizemos as escolas do município ganharem novos conceitos. Os serviços de transporte público apresentavam bons resultados. Fiz Prosamim e tantas outras coisas. Tenho uma história e um serviço prestado ao Amazonas. Por isso consegui disputar uma reeleição para voltar ao Senado da República.

    EM TEMPO  -  Quando o senhor foi Ministro de Minas e Energia, apresentou um projeto de placa solar. O que foi esse projeto?  

    EB– Quando eu era ministro de Minas e Energia, nós idealizamos um modelo inovador para os reservatórios de Balbina. E na terça feira (6), o presidente Jair Bolsonaro foi até ao reservatório de Sobradinho, na Bahia, para inaugurar o primeiro reservatório solar sobre flutuares nos reservatórios. Isso representa uma nova Itaipu para o Brasil sem derrubar árvores, usando as subestações que já existem e utilizando as linhas de transmissão que já existem e hoje estão sendo subutilizados. 

    Eduardo Braga disse que a Amazonas Energia foi privatizada, porém sem o voto dele  e que o povo pode ser penalizado com a alta das tarifas
    Eduardo Braga disse que a Amazonas Energia foi privatizada, porém sem o voto dele e que o povo pode ser penalizado com a alta das tarifas | Foto: Leonardo Mota

    EM TEMPO - O senhor cobra uma redução de tarifas e maior eficiência no setor de energia para o governo Bolsonaro. Por que essa defesa? 

    EB - A Agência Nacional de Energia Elétrica é uma agência de Estado e não de governo. E a Aneel que aprova as tarifas de energia elétrica. Não é ministro de Minas e energia e nem o presidente que aprovas tarifas. O governo e o congresso delegaram a isso as agências. Se não fizermos uma mudança na política de tarifa de energia elétrica, aquilo que já é a mais alta tarifa de energia elétrica na América do Sul, que é a brasileira, a tarifa ficará impagável. Em novembro vem uma nova tarifa que a Aneel está preparando para o Amazonas, que privatizou contra o meu voto a Amazonas Energia. O povo será penalizado. 

    Comentários