Fonte: OpenWeather

    Notas de Contexto


    Livro polêmico desnuda governo Bolsonaro

    Lançado pela Companhia das Letras, o livro "Tormenta" da jornalista Thaís Oyama desnuda o governo Bolsonaro. Veja essa e outras notícias picantes da política em "Notas da Contexto", do EM TEMPO.

    Presidente Jair Bolsonaro | Foto: Divulgação

    Lançado pela Companhia das Letras, o livro "Tormenta" da jornalista Thaís Oyama desnuda o governo Bolsonaro:  Citando crises, intrigas e segredos", a jornalista cita o caso hilário de uma audiência do atual presidente da República com a bancada federal do Amazonas para demonstrar o total desconhecimento do mandachuva do Palácio do Planalto sobre economia e modelo Zona Franca de Manaus. 

    Zona Franca de Manaus

    Para os amazonenses, o episódio, também focado pelo senador Omar Aziz (PSD) em recente entrevista ao site BNC, expõe a total ojeriza de Jair Bolsonaro ao modelo Zona Franca de Manaus, e vale a pena ser ressaltado nesta semana em que o presidente e o ministro da Economia, Paulo Guedes, receberão novamente a bancada, desta vez sob a liderança do governador Wilson Lima, para tratar da crise do polo de concentrados de refrigerantes de Manaus.

    Naquela ocasião, Bolsonaro recebeu deputados e senadores do Estado, em pé e com o celular ao ouvido. A audiência durou dez minutos e Bolsonaro, ao final, frustrou a todos ao destacar que não entendia nada de economia e que, se soubesse que a audiência era para debater IPI, teria chamado o ministro Guedes. E encerrou a conversa.

    Livro polêmico

    Em seu livro, Thaís Oyama, ex-editora-chefe da revista Veja, e que, atualmente, comenta política na Rádio Jovem Pan, narra escândalos constrangedores ocorridos no início do governo Bolsonaro, como o episódio envolvendo assessores do senador Flávio Bolsonaro que foi parar no STF e que quase provocou a prematura exoneração do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

    À época, o general Augusto Heleno teria dito a Bolsonaro: “Se demitir Moro, o seu governo acaba”. Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), disse à Thaís sobre o presidente: “O cara não sabe nada, é um despreparado”.

    A declaração foi feita após o fim de um bate-papo entre o general e Thaís. O militar não sabia que o gravador da jornalista continuava ligado.

    Intrigas e falta de comando

    O livro-reportagem de Thaís Oyama escancara o jogo de intrigas que permeia os bastidores do primeiro escalão do governo Bolsonaro, desde o seu início, e evidencia a falta de liderança e pulso do presidente para conter os exageros de sua família embevecida pelo poder.

    Bolsonaro usou o Facebook para reagir a Thaís: “A nossa imprensa tem medo da verdade. Deturpam o tempo todo. Mentem descaradamente. Trabalham contra a democracia, como o livro dessa japonesa, que eu não sei o que faz no Brasil”.

    Besteirol de Regina

    Praticamente ungida, nova secretária especial de Cultura do governo Jair Bolsonaro, a atriz Regina Duarte, não parece diferente dos disparates de colegas atrapalhados que compõem o primeiro escalão do governo bolsonarista.

    Ontem, ela comemorou o dia consagrado a São Sebastião, padroeiro do Rio de Janeiro, compartilhando uma foto de Santo Expedito nas redes sociais.

    Claro que a confusão produziu chacotas nas redes.

    Disputa na Seduc

    Esquenta nos bastidores a disputa para substituir o secretário Vicente Nogueira no comando da 

    Nogueira já informou que deixa a Secretaria no final deste mês. Os nomes mais cotados na disputa são o do secretário-executivo Luis Fabian e o do secretário executivo adjunto pedagógico Raimundo Barradas.

    O caso Castro

    Por falar na Seduc, nunca mais se falou das investigações sobre o vazamento de informações e de um vídeo gravado no Ministério Público de Contas (MPC) no qual o empresário Francisco Luiz Dantas da Silva, dono da empresa Dantas Transportes Ltda., garantiu ter pago propina em um contrato de transporte escolar no valor de R$ 46,6 milhões.

    O episódio foi bombástico e determinante para a demissão do ex-secretário Luiz Castro. O silêncio em torno do caso coloca em xeque a credibilidade do processo investigatório. Comeram abiu.

    Câmaras frias nas UBS

    Quarenta e cinco Unidades Básicas de Saúde (UBS), instaladas em Manaus, vão ganhar, este ano, câmaras frias para conservação de imunobiológicos para as salas de vacinação.

    Os equipamentos serão adquiridos nos próximos meses pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) com recursos de R$ 742,5 mil viabilizados para a Prefeitura da capital por meio de emenda impositiva ao Orçamento Geral da União de autoria do senador Eduardo Braga (MDB/AM).

    Grana na conta

    O dinheiro, conforme Braga, foi transferido pelo Ministério da Saúde para o município nos dias 23 e 30 de dezembro, em duas parcelas de R$ 544,5 mil e R$ 198 mil, respectivamente.

    Atualmente, a estrutura da saúde municipal conta com 231 UBS nas zonas urbana e rural. Com as câmaras frias, as unidades passam a ter equipamentos necessários para conservação adequada de imunobiológicos.

    ZFM na Berlinda

    Segundo o novo presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (Codese), Romero Reis, Manaus é capaz de disponibilizar hoje algo em torno de 500 postos de trabalho, mas sem possuir capital intelectual capaz de preenchê-los.

    “Se aprendermos matemática de verdade, Manaus poderá faturar R$ 50 bilhões por ano apenas com o polo digital”, afirma reis. Na solenidade de sua posse, ele expôs, no auditório da FIEAM, um projeto de exportação de proteína de peixe com faturamento de R$ 40 bilhões.

    Prévias no caminho

    A presença da amazonense Jéssica Italoema, na Comissão Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores, empolgou de vez os membros do coletivo “Movimento PT”, grupo identificado com o presidente estadual da legenda, deputado Sinésio Campos.

    Mais do que nunca, o coletivo aposta nas chances de Sinésio para superar o deputado federal José Ricardo nas prévias que decidirão quem será o candidato petista nas eleições majoritárias deste ano em Manaus.

    Propinagem

    Em Rio Preto da Eva, o prefeito Anderson Souza (Pros) acusa o vereador Cabo Marcelo (MDB) de tê-lo assediado com pedidos de propina para passar a apoiar o chefe executivo na Câmara Municipal.

    Segundo Anderson, o parlamentar é conhecido no município por seus negócios espúrios com o poder público local em tempos passados.

    Por sua vez, Marcelo acusa o prefeito de “fake News”, sem ter provas acerca do que fala.

    Descolando do PT

    O PSB, que prossegue negociações com o apresentador José Luiz Datena (DEM), quer se distanciar do PT, seu antigo aliado, e trilhar caminhos de independência nas eleições municipais deste ano, somando novos parceiros até 2022.

    O partido lançará candidato próprio nas capitais e cidades com mais de 200 mil eleitores, incluindo Manaus onde aposta em alianças com PDT, Rede e PV.

    Comentários