Fonte: OpenWeather

    Futura gestão


    Após 351 anos, Manaus busca o prefeito ideal

    Para gerir Manaus, o futuro prefeito deve atender a critérios básicos estabelecidos pela população, como conhecimento e transparência

    Um dos principais aspectos do futuro prefeito deve ser a capacidade de gerir igualitariamente
    Um dos principais aspectos do futuro prefeito deve ser a capacidade de gerir igualitariamente | Foto: Lucas Silva

    Manaus - Diante dos problemas sociais e econômicos agravados pela pandemia, durante um ano de eleição municipal, inflamou-se a dúvida sobre que candidato poderá promover uma gestão competente em Manaus, durante os próximos quatro anos. O compromisso e a transparência são as principais características que muitos eleitores procuram no futuro prefeito, mas a incerteza sobre quem poderá atender a esses critérios ainda paira sob uma parcela do eleitorado manauara.

    Com uma população estimada de quase 2,2 milhões de pessoas, a capital amazonense enfrenta, há décadas, a falta de infraestrutura adequada; de Saúde capaz de atender as comunidades mais desassistidas; de Educação com qualidade e de Segurança. Esses são os temas que envolvem as principais propostas dos 11 candidatos ao Executivo municipal deste ano, mas a Manaus dos sonhos não será tão simples de se alcançar.

    Capacidade para gerir

    Para Ranniéry Mazzilly, professor de Administração Pública e Políticas Públicas da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), definir um perfil ideal para um gestor municipal não é algo fácil de ser estabelecido, visto que certas qualidades poderão ser esquecidas ou preteridas. Mas há alguns critérios básicos que devem ser considerados, a começar por uma visão sistêmica, onde o prefeito entenda que no âmbito público não há um problema, mas um sistema de problemas a serem solucionados.

    Além disso, para o futuro gestor de Manaus não há espaço para 'achismos', o conhecimento e preparo técnico para a gestão pública é um fator relevante. A inexperiência, no entanto, não deve se mostrar um problema, se for suprida por uma equipe qualificada.

    "O futuro prefeito deve abrir mão dos achismos e ter conhecimento de gestão pública, se não tiver, montar uma estrutura que dê a ele condições de gerir. O fato de uma pessoa não ter experiência pode não ser um problema. Se ela tiver o desejo, a vontade de acertar, se cercará de técnicos formados, profissionais qualificados, para trabalhar com a gestão", explicou Mazzilly.

    Quase 90% da população do Amazonas reside em Manaus, isso significa dizer que o gestor irá enfrentar questões de uma capital, quase cidade-estado. O professor afirmou ainda que, além de saber separar o político do administrativo, o prefeito deve atuar em uma gestão participativa. 

    "Há muitos problemas a serem resolvidos, primeiro deve-se ver como reorganizar o caos e o futuro prefeito não pode fazer isso do palanque ou do gabinete. O prefeito, por mais que tenha boa vontade e boas ideias, só saberá os problemas se tiver contato e ouvir os moradores. Não há como administrar Manaus, sem descentralizar. Construir um sistema de subprefeituras vai permitir o atendimento a bairros e localidades que nem sempre são assistidos", disse Mazzilly. 

    Bairros periféricos são os que mais sofrem com a falta de assistência municipal
    Bairros periféricos são os que mais sofrem com a falta de assistência municipal | Foto: Lucas Silva

    Eleitorado crítico

    Na última pesquisa eleitoral feita pela Perspectiva, no dia 21 deste mês, entre os sentimentos que grande parte do eleitorado tem sobre a capital amazonense, destacam-se três: amor, admiração e esperança. Seguindo o ranking, porém, está a decepção.

    A psicóloga Priscila Guerreiro, 32, afirmou que sente que a decepção é causada principalmente, pelo descaso. A eleitora, que ainda não decidiu em quem vai votar e procura, entre os candidatos, aquele que apresente propostas compatíveis com a realidade da população manauara, sem querer driblar os eleitores. 

    "A principal característica que eu noto nos candidatos é se ele se relaciona com a população como um igual, se busca entender e solucionar os problemas da nossa cidade como se fossem deles. Não podemos deixar que um prefeito dirija Manaus ‘de cima’ enquanto estamos ‘embaixo’. Não somos burros, mas esperançosos. Foco minha atenção nos candidatos que têm o pé no chão e não tentam enganar o povo com qualquer promessa que, claramente, não pretende cumprir", relatou.

    A transparência na relação entre o futuro gestor e os manauaras é essencial para o contador Tiago Batista, 25. O eleitor explicou que a decisão pode parecer fácil, mas deve ser bem pensada, pois há alguns candidatos com propostas tentadoras, mas que na prática não devem fazer jus ao que está sendo mostrado na campanha.

    "Eu busco, com toda a certeza, comprometimento e também aquele gestor que chegue ao cargo e tenha vigor para agir. Não apenas eu, como toda a população, queremos atitude, ação. O prefeito tem que ouvir o povo e lutar para quebrar a desigualdade em que vivemos. É difícil, mas podemos construir um governo bom e justo", afirmou.

    Idealização de uma cidade melhor

    A evolução de Manaus é resgatada em diversos discursos dos candidatos à Prefeitura durante este pleito. A relação, antiga ou não, com a população é marcada pelo desejo de mudança e pela busca por uma oportunidade para construir uma cidade melhor, que reascenda o orgulho dos manauaras. 

    Alberto Neto (Republicanos) destacou que, caso eleito, proporcionará a gestão de uma cidade 'nota 10', superando décadas de desmandos e má utilização do dinheiro público, e com a priorização da educação, da saúde e da geração de empregos. "Não dá para simplesmente esquecer os inúmeros problemas que os moradores enfrentam no dia-a-dia. Muito mais do que um presente, espero deixar o legado de fazer de Manaus uma terra de oportunidades, um lugar melhor para criar filhos e netos".

    Em uma tentativa de marcar Manaus, Coronel Menezes (Patriota) propõe mostrar como a cidade, pode oferecer serviços de qualidade, se bem administrada. "Meu objetivo é deixar grandes obras, mostrar que é possível dar soluções para problemas simples, isso acontece realmente quando o prefeito está compromissado em melhorar a vida das pessoas. Estarei administrando nas ruas e não de dentro do gabinete".

    Ricardo Nicolau (PSD) prometeu agir e trabalhar para transformar a capital amazonense, com dedicação. "Com esse carinho e cuidado, nós vamos poder voltar a crescer como cidade, ajudar uns aos outros e desenvolvermos para uma grande Manaus. Juntos, vamos voltar a acreditar que é possível, sim, transformar a nossa cidade e a Prefeitura fazer mais". 

    Para proporcionar orgulho aos manauaras, José Ricardo (PT) aposta em resolver os principais problemas sociais enfrentados pela população. "Orgulho para Manaus seria garantir o mínimo, que é a alimentação. A ampliação do atendimento na saúde, a garantia do saneamento, uma cidade arborizada e limpa. Nós vamos lutar para Manaus ser uma cidade com maior qualidade de vida".

    Manaus comemora 351 anos com muito trabalho a ser feito, destacados em um ano de eleição
    Manaus comemora 351 anos com muito trabalho a ser feito, destacados em um ano de eleição | Foto: Lucas Silva

    Buscando o desenvolvimento de Manaus, Marcelo Amil (PCdoB) aposta em resgatar as melhores lembranças da população. "Recordo-me de coisas lindas da minha infância que infelizmente se perderam, algumas pelo tempo, outras pela modernidade. Resgatar as melhores lembranças de Manaus é espalhar felicidade no coração dos manauaras".

    Amazonino Mendes (Podemos) afirmou que acredita que o povo manauara ama e tem orgulho de sua cidade, e as críticas são necessárias para a construção de uma capital melhor. "É aqui que acontece a nossa história, os nossos amores, as nossas alegrias e tristezas. O melhor presente que todos, inclusive eu, podemos dar para nossa cidade é a paz, o respeito pelos outros, pelas coisas da cidade, a boa convivência. O resto a gente constrói: as ruas, as praças, os hospitais, as escolas".

    Reafirmando seu empenho em levar à população a solução de problemas, Alfredo Nascimento (PL) pretende reascender a esperança dos moradores de Manaus. "Desejo que a minha cidade eleja um prefeito que possa proporcionar a ela um bom serviço de saúde, um bom serviço de transporte coletivo, um bom serviço de educação e principalmente um bom serviço social para que as pessoas que moram na minha querida cidade possam ter uma vida melhor". 

    Com a promessa de gerir Manaus com inteligência e boa fé, Romero Reis (Novo) afirmou que será distinto de seus antecessores. "Nós queremos resgatar o orgulho de ser manauara e tornar Manaus uma das cinco melhores cidades para se viver e trabalhar no Brasil. Para isso, queremos ser inimigos número um da burocracia para trazermos mais desenvolvimento para a capital".

    Chico Preto (DC) destacou seu desejo em ver a capital evoluída e que a população tenha consciência da sua responsabilidade. "Manaus se tornou uma cidade muito machucada pelo tempo e pelo abandono do poder público. Eu tenho como meta implementar subprefeituras pela cidade e assim aproximar o cidadão da prefeitura, fazer as pessoas se sentirem ouvidas, respeitadas e dar soluções para problemas que a prefeitura pode ajudar"

    Em busca de retomar a resistência contra a exploração e a opressão Gilberto Vasconcelos (PSTU) espera por uma oportunidade da população para mudar o destino de Manaus. "Gostaríamos de presentear a população de Manaus com a esperança e a luta contra todas as mazelas do capitalismo, com um plano de obras públicas para gerar empregos, para construir casas para a população que não as possui, creches para as crianças, postos de saúde para toda a população e um sistema de transporte que esteja à altura do nosso povo trabalhador". 

    Leia Mais:

    Eleitores jovens podem decidir resultado do pleito municipal de 2020

    Crianças e adolescentes devem ser prioridade nas eleições municipais

    Com histórico manchado, candidatos perdem espaço no pleito municipal

    Comentários