Fonte: OpenWeather

    Domínio


    Estado Islâmico foi derrotado na Síria, dizem forças aliadas aos EUA

    A coalizão liderada pelos EUA lançou dezenas de milhares de bombas na Síria e no Iraque para ajudar seus aliados na retomada de áreas dominadas pelo grupo extremista

    A área se estendia dos arredores da cidade de Alepo | Foto: Divulgação

    As Forças Democráticas da Síria, grupo liderado por curdos com o apoio dos Estados Unidos, declararam neste sábado terem assumido o controle do último território do país sob domínio de militantes do Estado Islâmico, na vila de Baghouz, no leste sírio.

    O anúncio marca o fim da presença do califado na Síria. No auge de seu domínio, o grupo extremista tinha chegou a controlar um terço dos territórios juntos de Síria e Iraque, o equivalente ao tamanho do Reino Unido. A área se estendia dos arredores da cidade de Alepo, no norte sírio, até a região próxima da capital iraquiana, Bagdá, e abrigava aproximadamente 8 milhões de pessoas. 

    Apesar do anúncio, o Estado Islâmico vem organizando uma insurgência, ainda de pequena escala, em áreas de onde foi expulso meses ou até anos atrás. Autoridades de defesa dos EUA alertaram que o grupo pode retornar à Síria em um ano se a pressão militar contra o terrorismo for aliviada. A insurgência poderia ganhar força também à medida que o presidente Donald Trump pressiona pela retirada planejada dos EUA da Síria. 

    Além disso, o Estado Islâmico estabeleceu ramificações na Ásia e na África, assim como continua ativo em países como Afeganistão, Líbia, Península do Sinai, no Egito, Iêmen e Filipinas. 

    A coalizão liderada pelos EUA lançou dezenas de milhares de bombas na Síria e no Iraque para ajudar seus aliados na retomada de áreas dominadas pelo grupo extremista, às vezes pulverizando quarteirões inteiros. Forças do governo sírio apoiadas pelo poder aéreo russo também lutaram contra o Estado Islâmico em algumas áreas. 

    A campanha aérea e terrestre de quatro anos contra o grupo matou ou feriu dezenas de milhares de pessoas, expulsou centenas de milhares de suas casas e deixou uma faixa de destruição que se estende dos subúrbios de Damasco ao centro do Iraque. O número de mortos é incerto. Em um relatório divulgado no ano passado, a coalizão coordenada pelos EUA confirmou a morte de 1.139 civis em ataques aéreos entre agosto de 2014 e novembro de 2018, mas grupos de direitos humanos dizem que o número é muito maior. Uma investigação da Associated Press revelou que pelo menos 9 mil civis morreram apenas no assalto para retomar a cidade de Mosul, a segunda maior do Iraque. 

    Outra sequela da presença do grupo nas localidades são as armadilhas e explosivos deixados para trás por militantes, que ainda não foram desativados. O Iraque estima que precisará de US$ 100 bilhões para sua reconstrução, enquanto líderes locais de Mosul afirmam que este valor seria suficiente apenas para sua cidade. 

    Leia mais: 

    Vídeo: 45 cobras são encontradas debaixo de casa após dono pedir ajuda

    Bebê nasce fazendo a pose do super-homem e foto viraliza na web. Veja:

    Bolsonaro e Trump se reúnem nesta quarta (19), na Casa Branca

    Comentários