Fonte: OpenWeather

    Intrigas


    Carlos Bolsonaro ataca general Heleno e abre nova crise com militares

    Crítico frequente de oficiais que integram o governo, filho '02' do presidente agora mira um dos principais conselheiros do pai, Augusto Heleno, que chefia o Gabinete de Segurança Institucional

    Carlos rebateu o general Heleno | Foto: Divulgação

    O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC), “filho 02” do presidente da República, usou suas redes sociais nesta segunda-feira, 1, para atacar mais um general do governo Jair Bolsonaro. Depois de Hamilton Mourão e Santos Cruz, o alvo da vez foi o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Augusto Heleno.

    Sem citar o nome do ministro, Carlos levantou suspeitas sobre a conduta do GSI no episódio que levou à prisão o segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, flagrado na Espanha com 39 kg de cocaína em voo da Força Aérea Brasileira (FAB). O fato marca mais um capítulo dos ataques da ala ideológica contra a ala militar do governo.

    O comentário de Carlos foi feito nas redes sociais do vereador. Em um vídeo publicado por uma página de apoio a Bolsonaro, a candidata derrotada a deputada federal pelo PSL no Ceará, Regina Villela, diz que o presidente está “cercado de agentes do Foro de São Paulo”. Nele, Regina afirma que integrantes do GSI estão envolvidos em um suposto complô contra o presidente. “Toda viagem internacional é precedida por outra, que leva os agentes da Abin para sondagem do terreno. Ou seja, tem gente da FAB, da Abin, do GSI, do Cerimonial. Todo mundo está envolvido nessa história”, diz a candidata derrotada no vídeo. 

    “Por que acha que não ando com seguranças? Principalmente aqueles oferecidos pelo GSI?”, respondeu o vereador Carlos Bolsonaro em um comentário. “Sua grande maioria podem (sic) ser até homens bem intencionados e acredito que sejam (sic), mas estão subordinados a algo que não acredito. Tenho gritado em vão há meses internamente e infelizmente sou ignorado. Estou sozinho nessa, podendo a partir de agora ser alvo mais fácil ainda tanto pelos de fora tanto por outros.” 

    Após o comentário do vereador ganhar repercussão nas redes - ele próprio o compartilhou no Twitter -, o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, afirmou a jornalistas em entrevista coletiva que o GSI possui qualificação “bastante extremada” e que seus recursos humanos “são preparados da melhor forma possível para promover segurança”. 

    O porta-voz informou aos jornalistas que não comentaria a publicação do filho do presidente. “Mas sabemos que é uma qualificação bastante extremada (a que o GSI possui), com profissionalismo, com treinamento nas mais diversas condições e já reconhecido, inclusive, por outros órgãos de segurança”. Procurado, o general Augusto Heleno não respondeu. Na semana passada, o Ministério da Defesa informou que o GSI não teve responsabilidade sobre o avião de apoio que o militar ocupava.

    Bolsonaro disse que "ímpeto" do filho foi contido

    No mês passado, Jair Bolsonaro disse que o "ímpeto" de seu filho Carlos foi contido e que "há mais de dois meses" não há influência dele nas "mídias digitais". O vereador cuidava das contas de Bolsonaro nas redes sociais durante a campanha e seguiu administrando a comunicação do pai após a posse como presidente. 

    Carlos teve desentendimentos públicos com o ex-ministro Gustavo Bebianno, que acabou demitido da Secretaria-geral da Presidência. Também chegou a usar as redes sociais para criticar o ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz, demitido no mês passado por Bolsonaro da Secretaria de Governo. O presidente negou, porém, que Carlos tenha tido influência na demissão do general. "Nada a ver. Há quanto tempo meu filho está sem tuitar?", disse.

    Alvo de ataques do escritor Olavo de Carvalho e do vereador Carlos Bolsonaro, Santos Cruz integrava o núcleo duro do Palácio do Planalto e foi o primeiro ministro militar a cair. Santos Cruz deixa a equipe sob desgaste, após ser criticado pela rede bolsonarista, insuflada pelo “filho 02” do presidente.

    O general tinha nas mãos a chave do cofre da Secom e era ele quem comandava a liberação dos recursos. Sua posição considerada “linha dura” com a distribuição da verba incomodava tanto os políticos como a equipe econômica. A última briga que ganhou os holofotes ocorreu em maio, quando Santos Cruz vetou parte do orçamento apresentado para a campanha publicitária da reforma da Previdência.

    O vice-presidente Hamilton Mourão também é alvo frequente de ataques feitos por Carlos Bolsonaro. No dia 23 de abril, por exemplo, foram três tuítes com críticas ao vice do pai. À noite, ele resgatou uma declaração, feita em setembro de 2018, uma semana após o atentado a Bolsonaro. “Naquele fatídico dia em que meu pai foi esfaqueado por ex-integrante do PSOL e o tal de Mourão em uma de suas falas disse que aquilo tudo era vitimização”, escreveu. 

    Na ocasião, Rêgo Barros afirmou a jornalistas que o presidente queria um ponto final na desavença pública. Segundo o porta-voz, Bolsonaro disse que Mourão terá o apreço do presidente, mas afirmou que estará “sempre ao lado” do filho. 

    Nesta segunda-feira, após o ataque indireto a Heleno, Carlos compartilhou em seu Twitter uma reportagem sobre a indicação de Antonio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente da República, ao cargo de gerente executiva de Marketing e Comunicação do Banco do Brasil, na mais recente estocada em Mourão.

    Leia mais: 

    Balanço: altos e baixos de Jair Bolsonaro no governo em seis meses

    Cidades pelo País têm atos de apoio a Moro

    Trump diz que Bolsonaro é um ‘homem especial’ e ‘amado pelo Brasil’

    Comentários