Fonte: OpenWeather

    Vazamento


    Deltan Dallagnol pede ingressos para parque em troca de palestra

    Procurador deu palestra na Federação das Indústrias do Ceará em 2017 e recebeu cachê, além de passagens e hospedagem em um hotel

    Coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol recusa convite da Câmara
    Coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol recusa convite da Câmara | Foto: Divulgação

    Um novo vazamento de mensagens de procuradores da Operação Lava Jato revelou que o procurador Deltan Dallagnol pediu passagens, hospedagem e cobrou cachê como condição para dar uma palestra no Ceará, em julho de 2017. As informações foram obtidas pelo site The Intercept Brasil e publicadas pela Folha de S.Paulo.

    Deltan falou sobre o assunto em um diálogo com a esposa, no qual afirmou que poderia pedir passagens e hospedagem para toda a família no Parque Aquático Beach Park, a 26 km de Fortaleza, em troca de uma palestra na Fiec (Federação das Indústrias do Ceará). “Posso pegar [a data de] (20) e condicionar ao pagamento de hotel e de passagens pra todos nós”, disse o procurador.

    O procurador ainda recebeu cachê e recomendou que o então juiz Sérgio Moro aceitasse um convite para fazer o mesmo. “Eu pedi pra pagarem passagens pra mim e família e estadia no Beach Park. As crianças adoraram. Além disso, eles pagaram um valor significativo, perto de uns 30k (R$ 30 mil). Fica para você avaliar", disse.

    O diálogo com Moro também mostra Dallagnol comemorando por não ter sofrido punições de órgãos de fiscalização por conta de suas palestras. “Não sei se você viu, mas as duas corregedorias MPF (Ministério Público Federal) e CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) arquivaram os questionamentos sobre minhas palestras dizendo que são plenamente regulares”, afirmou Dallagnol.

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Dallagnol recusa convite para explicar trocas de mensagens com Moro

    Pesquisa indica que 58% consideram inadequadas as conversas de Moro

    Comentários