Fonte: OpenWeather

    rachadinha


    Flávio Bolsonaro e Queiroz são denunciados pelo MP por rachadinha

    O senador foi apontado como líder da organização criminosa e o ex-assessor como o operador do esquema de corrupção

    A denúncia que contém cerca de 300 páginas, foi oferecida à Justiça do Rio no dia 19 de outubro.
    A denúncia que contém cerca de 300 páginas, foi oferecida à Justiça do Rio no dia 19 de outubro. | Foto: Reprodução

    O procurador-geral de Justiça do Rio, Eduardo Gussem, denunciou ao Tribunal de Justiça do Rio, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), seu ex-assessor Fabrício Queiroz e mais 15 pessoas por participação em organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita no escândalo da rachadinha no antigo gabinete de Flávio na Alerj. De acordo com o MP, a denúncia que contém cerca de 300 páginas, foi oferecida à Justiça do Rio no dia 19 de outubro.

    O filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está sendo apontado como líder da organização criminosa e Queiroz como o operador do esquema de corrupção que funcionava no gabinete do senador. 

    Ao receber a denúncia, o senador terá o prazo de 1 dias para oferecer uma resposta. O recebimento da denúncia será colocado em pauta no Órgão Especial do TJ após a manifestação da defesa e nova manifestação do MP se houver juntada de novos documentos.

    A investigação do MP-RJ teve início em julho de 2018, depois que um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz. No documento, foi apontado que oito assessores de Flávio faziam repasses para Queiroz e também ali já estavam assinaladas transferências e depósitos de Márcia Aguiar, Nathália e Evelyn Queiroz, mulher e filhas do subtenente.

    Com o avanço das investigações, em abril de 2019 o MP verificou provas de um esquema no qual assessores eram nomeados e tinham que devolver a maior parte de seus salários para Fabrício Queiroz. Muitos, inclusive, não atuavam efetivamente e eram "funcionários fantasmas". 

    O Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc) do MP-RJ apontou nos autos que 13 ex-assessores depositaram ao longo dos 11 anos R$ 2,06 milhões na conta bancária de Queiroz (69% do valor em dinheiro vivo). Além disso, esse grupo sacou R$ 2,9 milhões em espécie ao longo desse período.

    Conforme o MP, o dinheiro era lavado e retornava para Flávio. A partir dos dados das quebras de sigilo bancário e fiscal, os promotores apontam que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) usou, pelo menos, R$ 2,7 milhões em dinheiro vivo do esquema.

    De acordo com os dados da investigação, foi verificado que a loja recebeu R$ 1,6 milhão em espécie e de "recursos ilícitos inseridos artificialmente no patrimônio da empresa". Além disso, outros R$ 261,6 mil foram usados para pagamentos que cobriram despesas do então deputado estadual e de sua mulher, Fernanda Bolsonaro. Já o dinheiro em espécie usado nas transações imobiliárias dá um total de, pelo menos, R$ 892, 6 mil.

    *Com informações de O Globo 

    Leia mais

    Gilmar Mendes suspende ordem de prisão contra Queiroz e esposa

    TJ do Rio expede mandado de prisão para Queiroz e Márcia Aguiar

    Defesa diz que Flávio Bolsonaro não teve conhecimento sobre vazamento


    Comentários