Fonte: OpenWeather

    Eleições 2018


    Deputados federais no AM: muitos gastos e pouca produtividade

    De fevereiro de 2015 até o dia 18 de junho deste ano, os parlamentares usaram juntos quase R$ 5 milhões da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), o famoso Cotão

    De fevereiro de 2015 até o dia 18 de junho deste ano, os parlamentares usaram juntos quase R$ 5 milhões da Cota da Atividade Parlamentar
    De fevereiro de 2015 até o dia 18 de junho deste ano, os parlamentares usaram juntos quase R$ 5 milhões da Cota da Atividade Parlamentar | Foto: Fabiane Morais

    Manaus - Dados do portal da Câmara dos Deputados mostram que os deputados federais Hissa Abrahão (PDT), Átila Lins (PP) e Silas Câmara (PRB) foram os que mais gastaram, entre os integrantes da bancada amazonense, a Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), o famoso Cotão, desde o início da atual legislatura.

    De fevereiro de 2015 até o dia 18 de junho deste ano, os parlamentares usaram juntos quase R$ 5 milhões deste benefício. Cada deputado tem direito a R$ 43 mil mensais de Ceap. Além disso, eles foram os mais faltosos neste período. Por meio da página é possível ainda fazer uma análise de produtividade de cada um, ao longo desses quase quatro anos de mandato. Silas Câmara se destaca por ser o que mais utiliza a tribuna da Casa para se pronunciar.

    Hissa Abrahão

    No batimento de informações do pedetista Hissa Abrahão, é possível observar que dentro do valor de R$ 1.601 milhão gasto por ele com o Cotão, R$ 300 mil foram destinados para divulgação da atividade parlamentar. Chama a atenção o fato de o valor ter sido destinado somente a Linderlandio Barbosa ME. As transferências foram feitas quase que mensamente, de dezembro de 2016 até o mês passado e incluem parcelas entre R$ 20 e R$ 28 mil. Nas prestações de contas de outros parlamentes, os pagamentos são realizados a várias empresas e fornecedores.

    Outro dado que “salta os olhos” na trajetória de Hissa é que ele foi o único da bancada que subiu à tribuna da Casa para se pronunciar apenas uma vez este ano. Mesmo tendo sido vice-líder do PDT até o ano passado, ele não usou da prerrogativa de poder solicitar o uso da palavra, e não participar de sorteio, como acontece com os demais colegas, e falou apenas três vezes em 2017. A visibilidade dele na Câmara se reflete seis pronunciamentos em 2016 e 11 em 2015. No quesito presença em plenário, ele acumula 70 faltas, sendo 48 justificadas e 22 não justificadas. Esse número aumenta, quando se trata de assiduidade em reuniões de comissões. Nelas, Hissa se ausentou 86 vezes, sendo 61 sem justificativa, 16 com justificativa e 9 escusas (pedidos de desculpas pelas ausências).

    Átila Lins

    Já Átila Lins, mesmo alcançando a marca de R$ 1.667 milhão com o gasto da Ceap, foi o que menos investiu com a divulgação de atividade parlamentar. Tanto que os pagamentos para este tipo de serviço só começaram a acontecer com frequência em junho do ano passado. A partir deste período, houve transferências mensais entre R$ 5 e R$ 6 mil para a empresa Notibras Jornal da Quadra. Em 2016, o único pagamento feito, no valor de R$ 1 mil, aconteceu no mês de maio. Já em 2015, Átila economizou e não usou os recursos para fins de divulgação.

    A reportagem entrou em contato com Hissa por meio do número (92) xxxxx-1212 e também via mensagem de Whatsapp, mas não obteve sucesso. Já Átila não atendeu às chamadas telefônicas para o número (61) xxxxx-9392. A reportagem também tentou contato com o gabinete de Lins em Brasília, mas foi informada que o assessor de comunicação não estava no local. Um e-mail foi enviado ao endereço eletrônico do parlamentar do PP, mas até o fechamento desta edição, não foi respondido.

    Silas Câmara

    Apesar de ter o maior gasto com a Ceap entre os três parlamentes - um total de R$ 1.709 milhão -, Silas Câmara se destaca pelo alto desempenho no quesito pronunciamento. Foram 19 discursos somente este ano. Além disso, ele acumula 60 vídeos de pronunciamentos publicados em sua página no site da Casa. Já em gastos com autopromoção, ele pagou às empresas Duplifolha, Incine e EC Gráfica, valores entre R$ 19 e R$ 29 mil por mês. Com relação à participação no plenário da Câmara, Silas atingiu 88 faltas, sendo 59 ausências justificadas e 29 sem justificativas.

    Silas destaca que tem se empenhado em lutar pela melhoria da vida do povo do Amazonas, tanto que divide sua programação parlamentar entre visitas a municípios do interior e participação das sessões plenárias.

    “Nas sextas, sábados, domingos e segundas eu visito municípios do interior e nas terças, quartas e quintas-feiras estou no plenário da Câmara em Brasília (DF). Sou o único deputado a visitar todos as 62 cidades do Amazonas e várias comunidades duas vezes ao ano. Eu faço meu trabalho com alegria e prazer, com vontade de fazer o melhor e transformar todas as necessidades da população em conteúdo legislativo”, disse.

    Conceição Sampaio

    Única parlamentar mulher da bancada, Conceição Sampaio (PSDB) foi a que menos usou o recurso público desde o início da legislatura. Além disso, ela tem 100% de produtividade, já que atingiu 383 presenças em sessões deliberativas realizadas no período do exercício do mandato parlamentar. No levantamento da produtividade dela, também é possível observar que houve 20 pronunciamentos na casa, sendo 14 no ano passado e seis em 2018.

    Alfredo Nascimento

    Alfredo Nascimento (PR) também gastou pouco, se comparado a Hissa, Silas e Átila. No total, o republicano utilizou R$ 1.440 milhão do Cotão. Na contabilização de participação na Casa, Nascimento também se destaca com 90,04% de rendimento. Ele registrou 34 faltas justificadas e 3 sem justificativa.

    Pauderney Avelino

    O deputado Pauderney Avelino (DEM) registrou quase a mesma marca de Alfredo e gastou R$1.400 milhão do cotão até este mês. No quesito frequência, o democrata participou de 360 das 383 sessões deliberativas e apresentou 23 faltas justificadas. Já a presença dele em comissões é refletida em 425 participações, representada por 81% de aproveitamento, com 70 ausências não justificadas.

    Gedeão Amorim e  Arthur Bisneto

    O Professor Gedeão Amorim (MDB), suplente do deputado federal Sabino Castelo Branco (PTB), que está de licença médica desde agosto do ano passado, contabilizou um gasto de R$ 224 mil de janeiro a junho. Já no controle de Arthur Bisneto é possível verificar somente os gastos de fevereiro de 2015 a setembro do ano passado, que contabilizam R$ 1.189 milhão.

    Leia mais:

    Secretários são convocados a explicar situação financeira do Amazonas

    Homem é suspeito de ocultar cadáver da esposa na floresta amazônica

    Senado terá número recorde de candidatos à reeleição no Amazonas






    Comentários