Fonte: OpenWeather

    Greve


    Professores em greve recebem contraproposta do governo do AM

    Governo comprometeu-se a incorporar as perdas residuais e pagar a data-base 2019, totalizando 4,74% de reposição salarial

    Na contraproposta, o vice-governador e chefe da Casa Civil, Carlos Almeida Filho, destacou que o Estado tem total interesse em solucionar o impasse com a categoria | Foto: Divulgação

    Manaus - Os servidores da educação do Amazonas receberam nesta sexta-feira (3) uma contraproposta do governo do Amazonas. Com a garantia de incorporar as perdas residuais e pagar a data-base 2019, totalizando 4,74% de reposição salarial, o Estado assumiu também o compromisso de analisar, em conjunto com as entidades que representam a categoria, pautas sobre os valores de auxílio-localidade e perdas financeiras para futura implementação, conforme disponibilidade orçamentária. 

    Na contraproposta, o vice-governador e chefe da Casa Civil, Carlos Almeida Filho, destacou que o Estado tem total interesse em solucionar o impasse com a categoria. “Há um interesse do Governo em resolver essa situação. Estamos assumindo o compromisso de manter a transparência e trabalhar em conjunto para que sejam avaliadas as possibilidades futuras. Fizemos análise conjunta das perdas residuais destacadas e avançamos, mostrando que estamos dispostos e que faremos o que estiver no nosso alcance nesse momento”, destacou o vice-governador. 

    Apos análise dos estudos apresentados pelo Sindicato do Trabalhadores da Educação do Amazonas (Sinteam) e pela Associação de Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus (Asprom-Sindical), a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) apresentou a possibilidade de reposição salarial de 4,74%,  sendo 3,93% referente a 2019 somados a 0,81% de perda residual inflacionária entre 2015 e 2018. Esse último não havia sido calculado na negociação de 2018.  Nesse caso, o Estado não  infringe a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). 

    Caso a categoria sinalize pela aceitação da proposta, o envio para a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) será imediato. “Vamos enviar para Assembleia Legislativa e garantir que o valor virá retroativo a março. Mas pra isso precisamos que haja um entendimento de que vamos seguir com o restante do que está sendo proposto”, destacou Carlos Almeida Filho. 

    A contraproposta inclui as análises de possíveis perdas financeiras dos últimos anos, conforme afirmam os representantes da categoria. Sobre o auxílio-localidade, há o entendimento entre o Estado e as entidades sindicais que existem distorções no valor em vigor, e que devem ser corrigidas. Sendo assim, o Governo realizará um estudo sobre o impacto financeiro para implementação de tais correções, que pode ser feita tão logo o Estado alcance o equilíbrio nos gastos com pessoal, conforme determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A implementação depende também de aprovação da Aleam. 

    Progressões garantidas

    O vice-governador também reafirmou que será feito o pagamento imediato das progressões horizontais por tempo de serviço e que deveriam ter sido pagas em dezembro de 2018 e representam ganhos percentuais de 2%. Elas devem atingir cerca de 22 mil profissionais da educação. As progressões verticais que vão representar ganhos de 12%, 50% e 55% pra 1,5 mil servidores também estão garantidas, conforme foi proposto inicialmente pelo Estado. 

    A situação fiscal do Estado e a LRF não impedem que sejam dadas progressões previstas no Plano de Cargos e Carreiras e Remunerações (PCCR).

    *Com informações da assessoria.

    Leia mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Governador Wilson Lima se reúne com comissão de professores no AM

    Governo aguarda posição de sindicato da Educação para contraproposta

    Comentários