Fonte: OpenWeather

    Polêmica


    Eduardo Bolsonaro afirma que bomba atômica garante paz

    Deputado federal diz que Brasil seria levado a sério se tivesse efetivo nuclear: 'Sou entusiasta dessa visão', diz filho do presidente. Segundo ele, o politicamente correto o impede de falar em 'guerra com Venezuela'

    Reprodução / Internet

    Brasília - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, afirmou que a posse de armas nucleares “garante a paz” e disse ainda que o “politicamente correto” o impede de falar sobre a possibilidade de guerra com a Venezuela. As declarações foram feitas nesta terça-feira (14), em uma audiência da comissão com representantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.

    “Se nós tivéssemos um efetivo maior, talvez fôssemos levados mais a sério pelo (Nicolás) Maduro, ou temidos pela China ou pela Rússia", afirmou.  “São bombas nucleares que garantem a paz ali... cadê o colega do Paquistão? Como é que é a relação do Paquistão com a Índia se só um dos lados tivesse uma bomba nuclear? Será que seria da mesma maneira que é hoje? Óbvio que não. Quando um desenvolveu a bomba nuclear, o outro desenvolveu no dia seguinte e ali está selada, ao menos minimamente, uma espécie de paz. Eu sou entusiasta desta visão”, afirmou o deputado em reunião do colegiado que preside.

    Não é a primeira vez que o filho do presidente fala em defesa da manutenção de armas nucleares. Em 2016, em vídeo nas redes sociais, ele afirmou que a posse de armas nucleares aumenta o papel de destaque de um país. O deputado federal lembrou que o País é signatário do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares desde do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

    “Esse assunto não está em pauta neste momento. A gente sabe que o Brasil quiser romper esse acordo ele sofre uma série de sanções. É um tema muito complicado, mas quem sabe um dia possa voltar ao debate aqui (na comissão)”, afirmou.

    O parlamentar disse defender a necessidade de fortalecer as Forças Armadas e insinuou uso de uma saída militar na Venezuela. “Quem aqui nunca ouviu: o Brasil é um País pacifista, nunca vai entrar em guerra. Para que Forças Armadas? Vai gastar dinheiro com míssil, com tanque e nunca vai usar isso? Pois bem, estamos tendo um problema agora com a Venezuela e o politicamente correto me impede de falar algumas coisas. Então, tenho que falar que está tudo muito bem, nós nunca entraremos em guerra e podem ficar tranquilos. É claro que é uma ironia que eu estou falando”, disse, completando: “Não estou confabulando uma guerra até porque não tenho poderes para isso”.

    Leia Mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Rodrigo Maia nega ter recebido propina de dono da Gol: 'Mentira dele'

    STJ julga nesta terça-feira (14) habeas corpus de Michel Temer


    Comentários