Fonte: OpenWeather

    Resposta


    Após cassações, vereadores de Manaus colocam a culpa no PL

    Os vereadores teriam sido beneficiados com uma candidatura laranja no Partido Liberal nas eleições de 2016

    Além de perderem o mandato, os vereadores Bentes Papinha, Fred Mota, Mirtes Salles e Claudio Proença também foram condenados a oito anos de inelegibilidade | Foto: Divulgação

    Após a decisão do Ministério Público Eleitoral (MPE), que cassou o mandato de quatro vereadores do Partido Liberal (PL), os parlamentares utilizaram as redes sociais, nesta quarta-feira (21), para dar esclarecimentos aos eleitores em relação à decisão judicial.

    Além de perderem o mandato, os vereadores Bentes Papinha, Fred Mota, Mirtes Salles e Claudio Proença também foram condenados a oito anos de inelegibilidade. Conforme a decisão, os parlamentares foram beneficiados por uma inscrição fraudulenta durante o pleito de 2016. O documento aponta que Ivaneth Alves da Silva foi posta como candidata à vereadora com o objetivo de preencher o percentual mínimo de candidaturas femininas obrigatórias e, com isso, beneficiou eleição dos parlamentares cassados. 

    Mirtes Salles afirmou que vai recorrer da decisão
    Mirtes Salles afirmou que vai recorrer da decisão | Foto: Divulgação

    Em uma publicação no Instagram, Mirtes Salles afirmou que nos autos não existe denúncia de crime cometido por ela nas eleições de 2016, quando concorreu ao cargo de vereadora. A parlamentar frisou que teve as contas aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitora (TRE-AM).

    Mirtes disse, ainda, que o processo trata de uma denúncia feita contra o registro de candidatura do partido à época, e não contra ela. Na ocasião, Salles se defende das acusações alegando que tem plena convicção de nunca ter cometido fraude eleitoral, salientando que vai recorrer da decisão que está em primeira instância. 

    “A denúncia foi defendida pelos advogados do PL no processo, que não está transitado e julgado. Assumi o mandato em janeiro deste ano, após a eleição da Deputada Joana D’arc, de quem era suplente e estou tranquila em relação a minha história política e ao trabalho que desenvolvi em mandatos anteriores, e venho desenvolvendo ao longo desses sete meses”, frisou a vereadora em trecho da nota. 

    O vereador Claudio Proença frisou que não concorda, mas respeita a decisão judicial
    O vereador Claudio Proença frisou que não concorda, mas respeita a decisão judicial | Foto: Divulgação

    O vereador Claudio Proença frisou que não concorda, mas respeita a decisão judicial e frisa não ter cometido nenhuma irregularidade. O parlamentar disse, ainda, que o fato que ensejou a decisão judicial de perda do mandato teve origem na “alegação infundada de uma candidata do partido”.

    Proença acrescentou que Ivaneth denunciou o PL ao MPE sem justificativa e não havia se filiado ao partido para concorrer ao cargo de vereador, apesar de sua regular filiação. “Não há provas de ter o partido praticado qualquer irregularidade. Muito pelo contrário, lutarei com todas as minhas forças para manter meu mandato que foi conferido pelo povo”, frisou o parlamentar. 

    “É um suposto problema com o partido que acaba afetando todos os candidatos eleitos” diz Fred Mota
    “É um suposto problema com o partido que acaba afetando todos os candidatos eleitos” diz Fred Mota | Foto: Divulgação

    Fred Mota alegou não ter muito conhecimento do caso, e disse que a decisão “é um suposto problema com o partido, que acaba afetando todos os candidatos eleitos”. O vereador ressaltou que, neste caso, a cassação ocorre independente de participação ou culpa de qualquer um dos vereadores. 

    “Infelizmente, a decisão foi de punir os parlamentares por um suposto erro praticado pelo Partido. Continuo com o compromisso de estar com as mãos limpas e me manter fora de qualquer tipo de falcatruas que possam macular a minha imagem”, frisou.

    Bentes Papinha afirmou aos seguidores que a decisão sobre a cassação não é definitiva
    Bentes Papinha afirmou aos seguidores que a decisão sobre a cassação não é definitiva | Foto: Divulgação

    Em um perfil no Facebook, o vereador Bentes Papinha afirmou aos seguidores que a decisão sobre a cassação não é definitiva e disse, ainda, que a situação não se refere à imagem e ao mandato dele. Na ocasião, o parlamentar atribui a consequência da decisão a um possível erro administrativo do PL. “Essa situação será revertida e esclarecida com maior brevidade possível”, afirma trecho da nota. 

    Comentários