Fonte: OpenWeather

    Política


    Serafim quer que TCE-AM entregue vídeo do depoimento de Dantas

    Deputado saiu em defesa do ex-secretário de Educação Luiz Castro. O parlamentar apresentou um requerimento, na manhã desta terça-feira (24)

    Parlamentar apresentou um Requerimento, na manhã desta terça-feira (24) | Foto: Divulgação

    Manaus - O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) quer que o MPC-AM (Ministério Público de Contas), órgão auxiliar do TCE-AM (Tribunal de Contas do Estado), entregue uma cópia do vídeo do depoimento do empresário Francisco Dantas, dono da Dantas Transporte, sem cortes ou edições.

    Para isso, o parlamentar apresentou um Requerimento, na manhã desta terça-feira (24), à Mesa Diretora da ALE-AM (Assembleia Legislativa do Estado) formalizando o pedido. O requerimento deverá ser ainda aprovado pelo plenário antes de ser encaminhado ao órgão.

    “Esse depoimento foi vazado em pedaços para a imprensa e isso gerou um clima de constrangimento para o então secretário de Educação, Luiz Castro, que terminou pedindo demissão. Não precisa ser um investigador da polícia para saber de onde vazou esse vídeo, é o óbvio. Já aqui na ALE-AM, ele (Francisco Dantas) disse que tudo aquilo que estava no vídeo (do MPC) era mentira. E aí? Morreu o assunto? A honra do Luiz Castro não vale nada? O governo ficou calado, o TCE-AM ficou calado, a ALE-AM ficou calada. Não, senhores! Não é por aí, por isso apresentei o requerimento”, disse Serafim durante discurso da tribuna da Casa.

    O deputado defendeu ainda que após o TCE-AM entregar o arquivo original do depoimento, a presidência da ALE-AM disponibilize os vídeos dos depoimentos no Youtube. 

    “Repito, tanto o depoimento dado ao MPC quanto à Comissão de Educação devem ser publicados no Youtube para que a gente ponha um ponto final nessa história de você atentar contra a honra de alguém e depois ficar por isso mesmo. Existem muitas dúvidas se aquele CD não foi vazado unicamente para derrubar o Luiz Castro, depois que o derrubaram ficou tudo resolvido e não se falou mais no assunto. Esse não é o caminho correto”, concluiu o deputado.

    Entenda o caso

    Há pouco mais de um mês, no dia 22 de agosto, o empresário que mantém contratos com o Governo do Amazonas desde 2011 na área de transporte escolar relatou ao MPC a existência de “agentes políticos” que cobravam “mensalinho” de R$ 20 mil por uma alegada influência na contratação de sua empresa. Já no dia 11 de setembro, em audiência na Comissão de Educação da ALE-AM, Dantas afirmou aos deputados que havia mentido ao procurador.

    Comentários