Fonte: OpenWeather

    Retrabalho


    Vereadores querem otimização das obras de recapeamento em Manaus

    Parlamentares irão organizar uma audiência pública para evitar que concessionária de água danifique o asfalto

    Os moradores de ruas recém restauradas pela prefeitura de Manaus reclamam da vulnerabilidade do asfalto após manutenções preventivas realizadas pela concessionária em tubulações e encanamentos de água subterrâneos. | Foto: Em Tempo

    Manaus – Após ouvir as queixas de moradores de várias partes da cidade sobre a má qualidade do asfalto recapeado na cidade, os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) deliberaram, ontem, medidas para avaliar a qualidade das intervenções da concessionária Á guas de Manaus em vias recapeadas pela prefeitura. Para resolver o impasse, será agendada uma audiência pública.

    Os moradores das ruas recém restauradas pela prefeitura de Manaus reclamam da vulnerabilidade do asfalto após manutenções preventivas realizadas pela concessionária em tubulações e encanamentos de água subterrâneos. Lorena Chagas, estudante de design e moradora do bairro Chapada, relata que, após a recuperação da rua onde vive, a distribuidora precisou realizar reparos e, dias após a finalização, uma chuva forte fez o asfalto ceder. “Como moradora acho um desrespeito com a população, os órgãos da Prefeitura, e a Águas de Manaus precisa começar a trabalhar em conjunto para que esse tipo de coisa não aconteça mais”, desabafa a estudante.

    Durante o fim de semana, em uma rede social, o parlamentar Chico Preto (DC) exibiu uma obra da concessionária de águas em uma das ruas do conjunto Eldorado, zona centro da cidade. Nas imagens, é possível ver homens perfurando o asfalto, que, segundo o vereador, havia sido restaurado há cerca de 40 dias. “Recebi uma ligação de um amigo, informando sobre esse acontecimento. Me dirigi até o local e percebi que o asfalto era recém colocado. Ainda havia marcações para pôr as faixas da rua”, explica o vereador.

    Chico Preto reiterou ter questionado o gerente da obra sobre uma possível programação de reparos antes de ser executado o serviço de recapeamento do local. Para ele o ‘retrabalho’ feito pela concessionária não possui a mesma qualidade do primeiro asfalto, e essa distribuição poderia ser realocada a outra área com serviços de água e esgoto concluídos. “Perguntei a ele sobre uma programação e ele afirmou ser um serviço programado e não de emergência. Precisamos ser diligentes com o dinheiro público, pois, se ainda não houve uma restauração das tubulações de água, o serviço de recapeamento não pode ser feito antes. O ideal seria remanejar a data ou abranger uma outra via que também precisa serreparada”, conclui.

    Gilvandro Mota (PTC) estuda medidas para possibilitar uma melhor comunicação entre órgãos municipais ligados à demanda de infraestrutura, por meio da Comissão de Obras Públicas da CMM, que é presidida pelo vereador. Para ele, o diálogo deve ser estabelecido com a Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Manaus (Agemam), para propor uma sinergia entre os cronogramas de restauração de ambas instituições.

    “Vamos convidar o secretário da Agemam, Fábio Alho, e o presidente da Água de Manaus, Renato Med, para buscarmos essa sintonia entre as articulações. Também já conversei com o secretário Kelton Aguiar que informou que a empresa possui toda a programação de atividades de recapeamento das ruas. Até compreendo que existam dificuldades, mas precisamos otimizar da melhor forma possível este ajuste”, finalizou Mota.

    Uma possível data para a audiência pública ainda não foi definida, mas a Câmara deve discutir uma medida emergencial para investigar as particularidades entre os sistemas municipais e a empresa sobre as medidas de restauração de vias na cidade.

    A reportagem do Amazonas Em Tempo entrou em contato com a empresa àguas de Manaus e os órgão municipais Seminf e Agemam para verificar a quantidade de avenidas ou ruas que tenham tido essa intervenção prejudicada. E se há algum planejamento conjunto entre as instituições, ou um plano de ação para corrigir falhas.

    Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) afirma que cabe à empresa refazer a pavimentação das vias atendidas por serviços executados pela Concessionária Águas de Manaus . Ainda, segundo a nota, a Prefeitura de Manaus tem atuado na fiscalização dos serviços por meio da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman).

    Respostas

    Por meio de nota, a Águas de Manaus informa que mantém diálogo constante com a Prefeitura, por meio de gestores e técnicos da Secretaria Municipal de Infraestruta (Seminf), sobre a programação de serviços nas ruas da cidade. Vale ressaltar que todas as obras ou intervenções programadas são informadas previamente à secretaria, bem como à Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Município (Ageman), que fiscaliza o serviço da concessionária no âmbito municipal.A concessionária informa ainda que vem melhorando o tempo de resposta para execução de serviços, com ocorrências sendo atendidasem menos de 24 horas.

    Até o fechamento desta matéria, a Agemam não se posicionou sobre o assunto.

    Comentários