Fonte: OpenWeather

    Eleições 2020


    Com urnas antigas, TRE-AM amplia testes para não prejudicar pleito

    Na primeira etapa de testes, o órgão intensificou o efetivo para trabalhar na manutenção das urnas eletrônicas

    As urnas eletrônicas que serão usadas nas eleições deste ano, são modelos de 2009 e 2015 | Foto: Arquivo Em Tempo/Márcio Melo

    Manaus - Com a confirmação da mudança do calendário das eleições municipais deste ano, a corrida pelo planejamento do pleito já está sendo executada no Amazonas. E apesar de o Tributal Superior Eleitoral (TSE) ter lançado o investimento de R$ 241 milhões na compra de 54 mil urnas eletrônicas, os equipamentos serão usados somente em 2022. No Estado do Amazonas, o pleito que ocorrerá em novembro deve contar com urnas de eleições passadas, que atualmente passam por testes rigorosos, para que elas não prejudiquem o pleito.

    A licitação para adquirir novas urnas eletrônicas começou ainda no ano passado, no entanto devido a pandemia o processo só foi concluído neste ano, o que atrasou a fabricação dos equipamentos. Ao todo, neste ano, no Amazonas, serão usadas 8.218 urnas eletrônicas em Manaus e no interior do Estado, e apesar dos equipamentos correspondem aos modelos dos anos de 2009 a 2015, o diretor geral do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), Ruy Melo, garante que as elas são capazes de atender todo o Amazonas, sem eventuais problemas.

    Mesmo com urnas de eleições anteriores, TRE-AM garante que elas são capazes de atender o eleitorado amazonense
    Mesmo com urnas de eleições anteriores, TRE-AM garante que elas são capazes de atender o eleitorado amazonense | Foto: Arquivo Em Tempo/Márcio Melo

    “As urnas passam por diversos testes que comprovam a capacidade do equipamento. Aqueles equipamentos que apresentam defeito em alguma parte do teste terão o problema corrigido e passaram por novos testes. Trabalhamos para atender todo o Amazonas sem equívocos durante as eleições municipais”, afirma.

    Atualmente, as urnas estão passando pela primeira etapa dos testes. O processo de manutenção preventiva, que visa garantir o perfeito funcionamento dos equipamentos leva mais de seis horas de execução e busca garantir o perfeito funcionamento da máquina.

    Após essa etapa, as urnas eletrônicas passam para a manutenção corretiva para que seja testada a eficácia dos mecanismos e realizado os ajustes, conforme a necessidade. Para garantir que as urnas não apresentem problemas durante as eleições municipais, aproximadamente, 2 mil novas baterias estão sendo adquiridas pela Corte Eleitoral do Amazonas. A aquisição busca trabalhar de forma preventiva, para que possíveis problemas sejam solucionados de forma imediata.

    “Devido a pandemia, esses equipamentos ficaram parados e o produto desligado significa um grande problema para as baterias. Por isso, estamos adquirindo novas baterias para que fiquem em estoque, evitando supostos problemas. Caso venham a acontecer, o Tribunal estará preparado para promover a solução e o perfeito funcionamento”, observa Ruy.

    Isolamento social

    O diretor geral afirmou ainda que a preocupação do órgão com a manutenção das urnas dobrou devido ao atraso no processo de testes causado pelo isolamento social da pandemia do novo coronavírus. Para isso, o TRE-AM disponibilizou mais de 40 servidores para auxiliarem na manutenção dos equipamentos.

    “Nossa preocupação dobrou quanto a manutenção das urnas, pois o Tribunal suspendeu suas atividades durante a pandemia e agora temos que testá-las o mais rápido possível. Para essa ação, aumentamos o efetivo e, aproximadamente, 200 urnas estão sendo testadas diariamente”, acrescentou Melo.

    O diretor-geral destacou ainda que apesar do processo exigir mais agilidade durante esse momento, os testes estão sendo desempenhados de forma rigorosa para que os equipamentos não apresentem falhas. Após as fases de testes, as urnas serão distribuídas aos polos eleitorais, para que sejam incluídos os dados eleitorais das localidades.

    Distribuição

    As eleições deste no devem passar pelo processo de agregação nas sessões eleitorais
    As eleições deste no devem passar pelo processo de agregação nas sessões eleitorais | Foto: Reprodução

    Nas eleições de 2020, o Estado do Amazonas deve possuir 7.719 sessões eleitorais, sendo 4.010 sessões na capital e 3.709 no interior. Em meio a este quantitativo, as distribuições das urnas podem sofrer o fenômeno de agregação dentro das sessões, devido ao tempo de uso das urnas.

    “Essa situação funciona em sessões com poucos eleitores. Por serem urnas antigas, nós adotamos os sistemas de agregação. Então, se alguma sessão for funcionar com baixa quantidade de eleitores, nós podemos optar por trazer essa sessão para dentro de outra, assim economizamos urnas para que sejam destinadas ao estoque de contingência”, explica o diretor.

    Por conta da pandemia, a proposta do órgão é evitar ao máximo as aglomerações. Por isso, as agregações devem ser feitas de forma delicada e estudada previamente. “Estamos tento muito cuidado quanto as possibilidades de aglomerações, por isso não sabemos se de fato será realizada alguma agregação este ano. Todo cuidado é pouco, mas a alternativa não é descartada”, diz Melo.

    Contingência 

    As urnas contingentes são destinadas a solucionar imprevistos no ato da eleição
    As urnas contingentes são destinadas a solucionar imprevistos no ato da eleição | Foto: Reprodução

    Durante a fase de preparação das urnas, alguns equipamentos são preparados para atender às emergências no dia das eleições. Essas máquinas são chamadas de urnas contingentes e são utilizadas para substituir aquelas que apresentarem defeitos durante a votação. No ato da substituição, o flash card e o disquete de votação são transferidos da urna com defeito para a urna contingente, havendo dessa forma uma migração dos votos já registrados para a urna em bom funcionamento, que é lacrada e passa a ser a urna da seção.

    “As urnas do modelo 2015 são as mais prováveis a não apresentarem problemas, por serem mais atuais. No entanto, todas devem passar pelo processo de manutenção para descartar esses problemas. Também temos um contingente de baterias para possíveis defeitos. Todo o cuidado está sendo tomado para que os eleitores cumpram com seu compromisso, sem imprevistos”, afirma.

    Segundo o diretor-geral do TRE-AM, não há um quantitativo exato de urnas contingentes. No entanto, a previsão é que o estoque seja de, aproximadamente, 120 urnas para a capital e interior. O custo das urnas está incluso no valor da realização da eleição, no Amazonas, estimado em R$ 19 milhões.

    Leia Mais: 

    TRE-AM reavalia orçamento para realizar eleições em meio à pandemia

    Mulheres mantém a maioria do eleitorado no Amazonas nas eleições

    Comentários