Fonte: OpenWeather

    ESTRATÉGIA POLÍTICA


    Tempo de TV agita articulação entre pré-candidatos em Manaus

    Pré-candidato a prefeito correm para fechar alianças partidária e garantir o maior tempo possível de TV da campanha eleitoral

    Busca pelo espaço na TV é resultado da credibilidade que o meio ainda tem com eleitor | Foto: Lucas Silva

    Manaus - Mesmo com uma sociedade mais conectada pelas redes sociais, o tempo de TV durante a campanha eleitoral ainda é o mecanismo mais disputado entre as coligações partidárias para promover seus candidatos durante a campanha eleitoral. Nas eleições municipais deste ano, o espaço televisivo ainda será um dos fatores determinantes na hora de estabelecer alianças para disputa pela sucessão do prefeito Arthur Neto (PSDB).

    O tempo de cada partido no horário eleitoral de rádio e TV varia de acordo com o tamanho da bancada eleita para a Câmara dos Deputados na última eleição (em 2018). Por ser uma ferramenta poderosa na promoção política, o tempo de TV acaba servindo como moeda de troca em negociações de apoio, quando as coligações são formadas e os minutos que cada sigla tem direito são somados e definidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    | Foto: Arte/Alexandre Sanches

    No caso das eleições majoritárias, para contabilizar o tempo de TV é levado em consideração o número de deputados dos seis maiores partidos da coligação. Além do horário eleitoral fixo, transmitido duas vezes por dia, os candidatos também têm direito às inserções, que são peças de 30 segundos ou 60 segundos, veiculadas ao longo da programação. No total, são 70 minutos de inserções por dia, de segunda a domingo. As vantagens das inserções é que elas alcançam os eleitores em momentos inesperados.

    Atualmente, o Partido dos Trabalhadores (PT), agremiação que elegeu o maior número de deputados federais em 2018, possui o maior tempo de propaganda, com 58,6 minutos e 8,2 inserções de 30 segundo. Já o Partido Social Liberal (PSL), partido que saiu de um, para 52 parlamentares na última eleição, é a segunda legenda com maior tempo televisivo, com 56,5 minutos, e 7,9 inserções de 30 segundo. Segundo o presidente municipal do PSL, deputado federal Pablo Oliva, apesar de ter lançado nomes a candidatura majoritária para disputar o cargo do Poder Executivo manauense, ele segue analisando possíveis alianças com demais pré-candidatos.

    “Estamos em fase de definição, analisando as possibilidades de nomes. Pré-candidatos como o deputado estadual Ricardo Nicolau (PSB), David Almeida (Avante) e o Amazonino Mendes (Podemos) já procuraram o partido para formar aliança. Mas, nada foi definido. O tempo de TV é algo estabelecido em Lei e não temos problema algum em apoiar outros nomes para usar esse espaço. Claro que tudo será analisado para que a melhor escolha seja feita, pensando na população”, explica.

    "Gladiadores"

    Já o presidente municipal do Progressista, deputado federal Átila Lins, afirma que a legenda não deve apoiar outros nomes para candidatura majoritária nas eleições municipais, se não um nome lançado pela própria coligação. “O partido não será barriga de aluguel nessa eleição. Seremos como os gladiadores romanos. Os progressistas vão competir, mas vão competir para vencer”, afirma.

    Mesmo sem um nome lançado para pré-candidatura, Átila diz que a batalha de votos deste ano será atípica devido a pandemia da Covid-19, obrigando os Progressistas a planejarem com rigidez suas ações para o período pré-convencional e para a corrida posterior de convencimento dos eleitores. Segundo ele, o PP possui o terceiro maior tempo de TV entre os partidos que participam do processo eleitoral e terá que saber aproveitar a vantagem.

    Com o nono maior tempo de TV, outra legenda que analisa possíveis alianças é o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). A sigla deve definir um possível candidato ou aliança no mês de setembro, de acordo com o presidente municipal do PSDB-AM, Luiz Alberto. Segundo ele, apesar de o tempo de propaganda ser importante, a legenda segue outros critérios para a escolha dos nomes.

    “O tempo de TV é definido pelo TSE. O que estamos fazendo agora é analisar os nomes de candidatos, seja para lançar uma candidatura majoritária ou apoiar uma candidatura já existente, com a nossa presença na chapa. Devemos decidir isso ainda em setembro. No entanto, a nossa busca é por nomes que tenham responsabilidade com a gestão pública”, diz o presidente municipal do partido do atual prefeito de Manaus.

    Já o Partido dos Trabalhos (PT), que já definiu o nome do deputado federal José Ricardo (PT) como pré-candidato a prefeito de Manaus, afirma que vai seguir com a candidatura majoritária até o fim do pleito municipal, mas não entrou em detalhes quanto a análise de buscar apoio com os demais partidos que também possuem espaço significativa na TV.

    Credibilidade

    Segundo o cientista político Jack Serafim, a busca pelo espaço televisivo está diretamente ligada ao retorno que o meio de comunicação ainda tem sobre a população. Na sua avaliação, aparecer na TV ainda causa um impacto relevante no inconsciente das pessoas.

    “A TV ainda passa a sensação de credibilidade aos telespectadores e ouvintes. É um espaço muito importante para qualquer candidatura. Com maior tempo de TV, o candidato pode argumentar mais, se expor mais e consequentemente, fixar mais sua mensagem na mente do eleitor”, avalia.

    Apesar do avanço tecnológico, a campanha na TV ainda é mais econômica para quem busca consumir informação durante a campanha eleitoral, diferente da internet. Além disso, o meio ainda é o que mais alcança a população no Brasil. “Para ter acesso à internet é preciso ter crédito. Além disto, o alcance do sinal do rádio e da TV é absurdamente maior que o sinal de internet. Ou seja, rádio e TV são meios que alcançam a todos, independentemente da sua condição financeira”, observa o cientista.

    Apesar de ser um dos principais líderes das pesquisas eleitorais deste, o ex-governador David Almeida (Avante), contabiliza no momento apenas 1,3 inserções partidárias. Mas, segundo informações dos bastidores, o pré-candidato que tem um dos menores índices de rejeição do eleitorado manauara segue se articulando para formar alianças que mudem esse cenário, com um dos partidos com maior tempo de TV.

    "Estamos conversando muito, sem perder a coerência política. As possibilidades de alianças fortes por um projeto bom para Manaus são cada vez mais reais. Um tempo bom de TV é algo muito valioso na corrida política, mas, mais do que isso, nós estamos construindo um diálogo com os partidos para a construção de um governo que se importe de verdade com a cidade", diz David Almeida.

    Com 8,2 inserções diárias, José Ricardo afirma que o PT ainda quer contar com mais 1,7 do PCdoB. O deputado federal, Alberto Neto (Republicanos) tem hoje 4,7 inserções diárias e busca apoio de outras coligações. O deputado estadual, Ricardo Nicolau (PSD) possui 5,4 de inserções e mais 5,1 da aliança com PSB.

    O vice-prefeito Marcos Rotta (DEM) tem 4,5 inserções, Hissa Abraão (PDT), 4,5 inserções, Coronel Menezes (Patriotas) 1,6 inserções, Romero Reis (Novo) 1,4 inserções, Chico Preto (DC) 0,4 inserções e por último o deputado estadual, Josué Neto (PRTB) 0,3 inserções.

    Leia Mais: 

    Amazonas ainda tem candidatos indeferidos por analfabetismo

    Com muitos candidatos, debates podem se tornar inviáveis em Manaus

    Comentários