Fonte: OpenWeather

    Com a palavra


    'A mulher precisa entrar na política para ganhar', diz Prof Jacqueline

    A vereadora afirmou, durante entrevista, que se sente qualificada e credenciada para assumir a presidência da Câmara. Se acontecesse, seria a primeira mulher a assumir o posto

    Jacqueline defendeu seu compromisso com a verdade como forma de aumentar sua popularidade
    Jacqueline defendeu seu compromisso com a verdade como forma de aumentar sua popularidade | Foto: Divulgação

    Manaus - Com formação em Pedagogia e Direito, Jacqueline Pinheiro é uma vereadora com notório histórico de militância em prol da Educação Pública em Manaus, sendo conhecida como Professora Jacqueline. No segundo semestre deste ano, a parlamentar recebeu destaque por ser a vereadora mais atuante da CMM, com 108 requerimentos com demandas da comunidade. Reeleita com mais de nove mil votos, iniciará seu terceiro mandato na Câmara Municipal de Manaus (CMM), a partir de 2021. 

    Duas das principais bandeiras defendidas por Jacqueline nos últimos anos foram a educação e a defesa dos direitos das mulheres. Sobre sua atuação em relação aos temas, a parlamentar destacou que luta para que os direitos conquistados pela população ao longo dos anos, sejam garantidos, especialmente os das mulheres. Além disso, Jacqueline afirmou que, relaciona sua reeleição à sua forma de trabalho e atuação, sem fazer grandes promessas, mas sim mostrando seu trabalho.

    "

    Me sinto qualificada e credenciada, seria a primeira vez que uma mulher assumiria a CMM. "

    Vereadora Professora Jacqueline,, sobre a possibilidade de liderar a CMM

    EM TEMPO: Em que momento a senhora decidiu que era hora de entrar na política? O que lhe impulsionou a dar o start?

    Professora Jacqueline: Quando já atuava com gestora escolar percebi que a relação da escola com a comunidade era muito restrita. Era necessário o "poder" para conseguir ampliar o alcance e a melhoria na cidade, como parlamentar. Desde a primeira candidatura eu já tinha comigo outros professores, pedagogos e profissionais de educação comprometidos a iniciarem um projeto político de defesa da categoria.  

    EM TEMPO: Com três mandatos, a senhora acumula um número cada vez maior de votos em cada eleição. A que relaciona o crescimento da sua popularidade?

    Professora Jacqueline: Ampliando nossas frentes de trabalho, avançando nas bandeiras de luta e trabalhar sem prometer. Fazer primeiro e depois mostrar que tem comprometimento. Tenho um compromisso com a verdade, eu não gosto de alimentar falsas esperanças. Não prometer aquilo que não pode cumprir e esclarecer o porquê de cada negativa. Isso gera uma confiança que faz o eleitor perceber que a nossa forma de fazer política é diferente e a gente está lá para falar a verdade. 

    EM TEMPO: Nesse pleito, havia a expectativa de renovação da CMM. Como a senhora preparou sua campanha para conseguir se reeleger?

    Professora Jacqueline: Essa ampliação das frentes de trabalho vai além da educação, é a diversificação da atuação. Como em questões de saúde pública, infraestrutura, também fomos para a Zona Rural para garantir políticas públicas de incentivo a agricultura familiar entre outros benefícios coletivos. A campanha eleitoral é um período de pedir voto literalmente, divulgar o número e mobilizar os eleitores. Minha reeleição é fruto de um incansável trabalho desenvolvido ao longo de todos os dias, de cada ano. 

    EM TEMPO: Como a senhora se sente ao receber destaque por ser a vereadora mais atuante da CMM, neste segundo semestre?

    Professora Jacqueline: Gratidão. Eu busco trabalho, não votos, principalmente onde eles não vão. São comunidades invisibilizadas que só são visitadas em período de eleição. Eu permaneço, destino emendas parlamentares e acompanho cada demanda. Sou vereadora da cidade de Manaus e onde compete ao município é necessário que haja atuação do poder público. 

    "

    Não existe mistério na política. A resposta é dada com trabalho. "

    Vereadora Professora Jacqueline,, sobre a sub-representação feminina na política

    EM TEMPO: A senhora possui dois pontos fortes de atuação que é a educação e a defesa das mulheres. Esses sempre foram seus objetivos ao ingressar na política? 

    Professora Jacqueline: Desde a minha experiência como advogada, levo para minha trajetória na política a luta pela garantia de direitos conquistados. Leis favoráveis aos direitos da mulher refletem diretamente na questão familiar. A baixa representatividade feminina no parlamento nos faz ser ainda mais atuante nesses quesitos.

    EM TEMPO: A sub-representação feminina ainda é uma realidade na política, especialmente em Manaus. Como a senhora avalia isso e o que acha que está faltando para que haja mudança nesse cenário?

    Professora Jacqueline: No Brasil inteiro é assim. Nós, mulheres, somos quase 52% de eleitoras mas em representatividade na política não chega a 10%. Não existe mistério na política. A resposta é dada com trabalho. A mulher que quer se candidatar precisa entrar na política para ganhar, se engajar nas causas que defende e sensibilizar os eleitores que tem competência técnica e compromisso para fazer a diferença. 

    A vereadora afirmou que sua reeleição é fruto de um trabalho incansável desenvolvido ao longo de seus mandatos
    A vereadora afirmou que sua reeleição é fruto de um trabalho incansável desenvolvido ao longo de seus mandatos | Foto: Divulgação

    EM TEMPO: No seu período como parlamentar, qual dos seus Projetos de Lei a senhora destaca?

    Professora Jacqueline: A Lei 395/2014 que dá garantia de prioridade de vagas para filhos de Mulheres vítimas de violência doméstica ou familiar em escolas de ensino fundamental, creches públicas e conveniadas do município de Manaus. Muitas mães, com medo dos filhos perderem o ano letivo, acabam ficando no ambiente de violência, até correndo risco de vida. 

    EM TEMPO: A senhora almeja a presidência da CMM? Ou talvez outros cargos políticos?

    Professora Jacqueline: Muitos políticos vão pulando de mandato, focando em campanha e esquecendo da política. Eu gosto de ser vereadora. Mesmo com os trabalhos nas comunidades, sempre fiz questão de participar de comissões temáticas e me posicionar nas sessões plenárias para prestar contas do meu trabalho. Me sinto qualificada e credenciada, seria a primeira vez que uma mulher assumiria a CMM. Tenho formação na área de gestão e administração pública, mas o que prevalece é o arco de aliança entre os partidos, os demais vereadores e o prefeito eleito. 

    EM TEMPO: Há alguma pauta que a senhora considere com pouco destaque entre os vereadores e que deveria ser mais abordada?

    Professora Jacqueline: Ainda se perde muito tempo com fanatismo. Há muito retrocesso, as bancadas religiosas levantam pautas excludentes de muitas minorias, como questões de intolerância, homofobia e racismo.

    Leia Mais: 

    'A mulher é a grande vítima da corrupção eleitoral', diz Beth Azize

    'É importante que o eleitor seja criterioso', diz Helso Ribeiro

    'Eu sou a deputada das mulheres no Amazonas', diz Alessandra Campêlo

    Comentários