Fonte: OpenWeather

    Posse


    Nova Mesa Diretora toma posse e promete independência na Aleam

    Após eleição polêmica, o deputado Roberto Cidade assumiu o cargo de presidente da Aleam e declarou que buscará medidas para enfrentar à Covid-19 no estado

     

    Composta por 10 parlamentares, a nova Mesa Diretora atuará no biênio 2021-2022
    Composta por 10 parlamentares, a nova Mesa Diretora atuará no biênio 2021-2022 | Foto: Danilo Mello/Aleam

    Manaus - O deputado estadual Roberto Cidade (PV) tomou posse como novo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), para o biênio 2021-2022, na segunda-feira (1°), assim como os parlamentares que compõem a nova Mesa Diretora da Aleam. Em seu primeiro discurso como novo presidente da casa, o parlamentar afirmou que irá atender os interesses da população amazonense, mas que a prioridade será continuar atuando incisivamente no combate ao coronavírus.

    A composição da Mesa Diretora está formada pelos deputados Josué Neto (Patriota), como 1° vice-presidente; Mayara Pinheiro Reis (PP), 2° vice-presidente; Adjuto Afonso (PDT), 3° vice-presidente; Delegado Péricles (PSL), secretário geral; Álvaro Campelo (PP), 1° secretário; Sinésio Campos (PT), 2° secretário; Fausto Júnior (PRTB), 3° secretário; Felipe Souza (Patriota), ouvidor e Therezinha Ruiz (PSDB), corregedora.

    Durante seu primeiro discurso como presidente da Aleam, Cidade citou a pandemia e relembrou as mortes causadas pela Covid-19. O parlamentar também declarou que atuará com total transparência, em prol do que for melhor para o Amazonas. 

    “Vou conduzir essa casa de forma democrática e com a consciência da responsabilidade que tenho. Tudo aquilo que for desejo do povo desse estado será pauta prioritária durante a minha gestão. Não vou me eximir um só segundo de agir na direção daquilo que é melhor para o Amazonas. Seremos protagonistas nas pautas que influenciam o dia a dia da nossa população. Agirei com austeridade e com total transparência”, disse Cidade.

    Estiveram presentes na solenidade, de forma híbrida, os 24 parlamentares da casa, autoridades do poder Judiciário, assim como o vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura, Marcos Rotta (DEM), e o governador do Estado, Wilson Lima (PSC). O governador destacou que espera um consenso entre os poderes, para que possam atuar em defesa do melhor para a população. 

    “Quero me colocar à disposição, como sempre fiz, para o diálogo e para a construção das propostas que vão, sobretudo, atender aquelas pessoas que mais precisam. Em algum momento, e isso é natural e próprio da democracia, que haja divergência, mas que no momento das divergências possamos encontrar caminhos de diálogo para a solução de equilíbrio e de atendimento aos pleitos da coletividade”, enfatizou o governador. 

    O novo presidente da casa afirmou que irá manter o mesmo diálogo que sempre teve com o Governo do Estado, principalmente durante a gestão de Josué Neto, mas reforçou sua intenção de manter a independência do poder legislativo. 

    "A Aleam vai ter o mesmo diálogo que sempre teve, mas acredito que nós estamos passando por um momento muito turbulento na política amazonense. Acredito que todos os colegas tenham as suas opiniões em relação a isso, mas eu como presidente desse poder, quero dizer que o poder Legislativo vai atuar de forma independente e sempre estando ao lado do povo do Amazonas", defendeu Cidade.

    Possível Impeachment 

    A expectativa dos membros da oposição é que Roberto Cidade dê continuidade aos procedimentos legais dos pedidos de impeachment do governador Wilson Lima. Sobre o assunto, Cidade explicou que irá analisar o que já está sendo tramitado na Aleam e, em breve, dará um parecer.

    "Vejo que há vários pedidos de impeachment, uns que já foram recebidos, outros que já estão na procuradoria. Nós iremos analisar e em breve estaremos dando uma resposta de que forma vamos agir com todos esses pedidos de impeachment que estão na Assembleia", afirmou. 

    Foco na pandemia

    Como prioridade durante sua gestão, Cidade declarou que buscará medidas para viabilizar recursos no enfrentamento à Covid-19 no estado, principalmente nos municípios do interior, que sofrem com a falta de infraestrutura. O parlamentar afirmou que continuará trabalhando com o Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Amazonas (FTI) que tem promovido o suporte financeiro aos municípios.

    "Iremos conduzir da forma mais transparente e sempre buscando soluções. As pautas prioritárias serão de enfrentamento à Covid-19. Esse mês de janeiro foi o mês que tivemos o maior número de mortes da história da capital e já estamos vendo isso acontecer no interior. Nós vamos ter uma reunião com todos os prefeitos que quiserem participar, vamos tratar do FTI, queremos dar o nosso suporte para que possamos levar mais recursos para o interior do estado, para salvar vidas", defendeu. 

    O ex-presidente e atual vice-presidente da casa legislativa, Josué Neto, deve deixar o Parlamento estadual neste ano, para assumir a vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE), no lugar de seu pai, o conselheiro Josué Filho, que vai se aposentar. Com isso, haverá uma nova eleição para o cargo.

    Os membros da Mesa Diretora, além da verba de gabinete de R$103 mil, têm ao seu alcance a nomeação de assessoria específica, além de ter o direito a um chefe e um secretário de gabinete. O presidente tem o poder de nomear mais de 20 pessoas para cargos de liderança da Aleam, como os de diretor-geral e de procurador-geral. 

    Eleição da Mesa

    A eleição de Roberto Cidade foi polêmica, marcada por acusações de golpe. A votação foi antecipada após a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº05/2020, chamada de "PEC miojo", aprovada em poucos minutos, em caráter de urgência. Foi emitido um Mandado de Segurança com pedido de liminar, para que a sessão fosse anulada, mas o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, derrubou a liminar. Durante coletiva, Cidade defendeu que não houve irregularidades e descartou a possibilidade de ser destituído do cargo. 

    "Acredito que nós vencemos de forma legítima. O ministro do Supremo Federal não ia dar uma liminar em favor da decisão dessa casa, se fosse uma coisa que não tivesse seguido todos os parâmetros e ritos legais. Tiveram pessoas que disseram que foi um golpe, mas eu acredito que foi um contragolpe. Uma união de vários colegas que escolheram o meu nome e nós vamos aqui trabalhar juntos", afirmou. 

    Leia Mais:

    Governador diz que irá manter diálogo com nova presidência da Aleam

    Acusado de golpe, Roberto Cidade é eleito novo presidente da Aleam

    Aleam deve investir R$ 4 milhões na compra de oxigênio no AM

    Comentários