Fonte: OpenWeather

    Política


    Mandetta será o primeiro convocado da CPI da Covid, diz Omar Aziz

    Reunião para votação de requerimentos foi marcada para a próxima quinta. Teich, Pazuello e Queiroga também serão chamados

     

    Seguindo a ordem, os ex-ministros Nelson Teich e Eduardo Pazuello seriam os próximos convocados
    Seguindo a ordem, os ex-ministros Nelson Teich e Eduardo Pazuello seriam os próximos convocados | Foto: Divulgação


    Manaus (AM) - O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta será o primeiro convocado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga governos na pandemia de Covid-19. A informação foi divulgada pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), que colocou para a próxima quinta-feira (29) uma reunião para a votação de requerimentos do plano de trabalho da comissão. 

    “Precisamos ter noção de tudo aquilo que falhou, no planejamento. Por isso, há preocupação de começar pelo início”, justificou a escolha pela presença de Mandetta neste primeiro momento.

    Mandetta

    Ao que tudo indica, Mandetta deve ser ouvido na próxima terça-feira (4). Após a saída conturbada do governo federal, Mandetta assumiu posição de opositor ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O ex-ministro, inclusive, rompeu com o partido, o DEM, por apoios manifestados de líderes da sigla ao mandatário do país.

    Seguindo a ordem, os ex-ministros Nelson Teich e Eduardo Pazuello seriam os próximos convocados. O atual chefe da Saúde, Marcelo Queiroga, fecharia a lista.

    Outro nome ventilado para comparecer é o do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres.

    Acordo

    Durante a sessão desta terça, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) havia apresentado a intenção de chamar primeiro o atual ministro, Marcelo Queiroga, requerimento que contou com a resistência de governistas.

    O vice-presidente do colegiado, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), por sua vez, propôs um acordo para adotar a lógica cronológica de gestão.

    A proposta acabou contemplando os interesses dos governistas de atrasar a presença de Queiroga na comissão, quanto o interesse dos oposicionistas de garantir a convocação do ministro.

    Alfinetada

    Logo após a reunião, ao lado de Omar Aziz, o senador e relator da CPI, Renan Calheiros , aproveitou para alfinetar o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

    Mais cedo, o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ressaltou o risco sanitário que os trabalhos presenciais da CPI poderão acarretar ao Senado. 

    Acho que é muito importante comemorar declaração de Flávio. Primeira vez que se preocupa com aglomeração. Talvez esteja saindo do negacionismo e aderindo à ciência”.

    Leia mais:

    Senador Omar Aziz é eleito presidente da CPI da Covid

    “Vamos fazer um trabalho transparente”, afirma Omar sobre CPI da Covid

    Auxílio de R$ 600 é confirmado para 13 mil profissionais no AM; veja

    Comentários