Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    Amom cobra penalização de 'fura-filas' da vacinação contra Covid

    De acordo com o parlamentar, é necessário que haja celeridade no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) nos processos que julgam má conduta de servidores

     

    O vereador Amom Mandel (Podemos) cobrou dos órgãos de controle, nesta terça-feira (25), a penalização das pessoas que foram vacinadas sem pertencerem aos grupos prioritários
    O vereador Amom Mandel (Podemos) cobrou dos órgãos de controle, nesta terça-feira (25), a penalização das pessoas que foram vacinadas sem pertencerem aos grupos prioritários | Foto: Divulgação

    O vereador Amom Mandel (Podemos) cobrou dos órgãos de controle, nesta terça-feira (25), a penalização das pessoas que foram vacinadas sem pertencerem aos grupos prioritários em Manaus, conhecidas como “fura-filas”.

    De acordo com o parlamentar, é necessário que haja celeridade no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) nos processos que julgam má conduta de servidores. Além disso, Amom pede maior transparência na lista de vacinação, com o uso de formatos digitais que não dificultem o acompanhamento e análise de dados.

     "Há indícios de que doses tenham sido desviadas. Não ficou claro quem são os responsáveis e nem para quais pessoas. Há uma quantidade de denúncias e denunciados muito grande", disse o vereador.

    O vereador afirma que tem encaminhado as denúncias que tem recebido, com relação a irregularidades constatadas na lista de vacinação da Prefeitura de Manaus, ao Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), por meio da Ouvidoria da Câmara e disse que tem realizado investigação paralela sobre o assunto.

      "Nós podemos iniciar alguns procedimentos aqui na Câmara Municipal. Aqueles competentes ao poder legislativo, como uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ou uma Comissão Especial para apurar as denúncias. Tudo vai depender do que for revelado ou não", disse o vereador.

    Segundo o parlamentar, a lista de vacinação é feita em um formato que dificulta a fiscalização, o acompanhamento dos dados, por estar em formato PDF que impede não possibilita a manipulação das planilhas para o encontro de informações e cruzamento de dados.

    A reportagem entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) para obter um posicionamento sobre as denúncias. Em nota, o órgão respondeu que “as inconsistências iniciais nas listagens de vacinação já foram corrigidas há muito tempo e todas são acompanhadas, diariamente, pelos órgãos de controle”.

    Leia Mais:

    Conib repudia fala de Renan sobre holocausto durante CPI da Covid

    Novo Remanso recebe computadores para educação de adolescentes

    Mayra Pinheiro, a "Capitã Cloroquina", é ouvida na CPI da Covid

    Comentários