Fonte: OpenWeather

    Fala Dr.


    Odontopediatra dá dicas para pais sobre cuidados com dentição de bebês

    Chupar o dedo, escovar com creme dental, dar suco ou fruta. Essas são alguma das muitas questões que precisam de atenção sobre a saúde bucal em bebês

    O primeiro dentinho pode causar grandes preocupações para mamãe e papais | Foto: Divulgação

    Manaus - Um dos grandes medos dos pais de primeira viagem está relacionado ao nascimento do primeiro dentinho do bebê. Além disso, a fase é acompanhada de diversas outras mudanças como nova alimentação e o próprio crescimento da criança. Visando ajudar os responsáveis que não sabem o que fazer depois que essa nova dentição aparece, o EM TEMPO conversou com a odontopediatra Erika Perini Grosso acerca dos cuidados com a boquinha do bebê.

    A médica esclarece que as precauções com a dentição infantil devem acontecer desde o momento da gestação. Os dentes da criança estão em processo de formação dentro da barriga da mãe, por isso é importante que no acompanhamento médico, ela procure sanar as dúvidas com relação à saúde bucal da criança mesmo antes de nascer.

    EM TEMPO: Levando em consideração que a dentição do bebê já está em formação enquanto está dentro da barriga da mãe, quais os cuidados a gestante deve ter durante esse período? 

    Erika Perini Grosso: A mãe precisa receber algumas orientações a respeito de medicações, porque dependendo da quantidade e da frequência que alguns remédios são consumidos, isso pode afetar a dentição do bebê. Isso é uma prevenção de qualquer problema, bem antes do bebê nascer. Uma boa alimentação durante a gestação é muito importante também.

    ET: Depois que o bebê nasce, as novas medidas de atenção ocorrerão apenas quando o primeiro dentinho nascer?

    EPG: O cuidado é desde o nascimento. Ainda na triagem neonatal, é preciso fazer o teste da linguinha, porque é comprovado que crianças com a língua presa têm um desmame precoce porque não conseguem sugar adequadamente. O aleitamento materno evita uma série de problemas em questão do desenvolvimento da face do bebê e da mandíbula, que precisa do movimento da sucção para evoluir, então todo esse cuidado é bem antes do primeiro dentinho.

    Erika Perini é odontopediatra e apresenta várias dicas para os pais que não sabem o que fazer sobre a primeira dentição do filho
    Erika Perini é odontopediatra e apresenta várias dicas para os pais que não sabem o que fazer sobre a primeira dentição do filho | Foto: Ione Moreno/ Em Tempo

    Cárie

    ET: Junto do dentinho, algumas mudanças ocorrem na rotina da criança, como por exemplo a introdução alimentar. Quais os cuidados que os pais devem ter com relação aos alimentos oferecidos à criança?

    EPG: 90% da prevenção de cárie depende do conteúdo do alimento que você oferece ao seu bebê. Isso significa que depende da quantidade de açúcar, da amamentação no peito e de xaropes consumidos pela criança. Por exemplo, alguns xaropes contêm açúcar para que a criança tenha vontade de tomar esse remédio, e muitos pacientes que ficam doentes diversas vezes, acabam criando cárie pela falta de higienização após o consumo do medicamento. Então, a indicação é sempre escovar os dentes.

    ET: Se o açúcar é um dos grandes vilões nesse combate e prevenção à cárie, quer dizer que não há necessidade de adoçar papinhas de frutas e sucos?

    EPG: Todas as frutas já têm uma quantidade de açúcar muito grande: a frutose, então não precisa adoçar, nem com mel. O bebê não nasce com estimulo do doce, porque ele nem sabe que isso existe. Uma vez que o pai adoça o alimento, é um caminho sem volta. Por isso é importante orientarmos antes da criança fazer os cinco meses e o indicado é quanto mais tarde introduzirmos esse açúcar na alimentação infantil, melhor em diversos aspectos. 

    ET: Ao escolher dar uma fruta ou fazer o suco, qual seria a indicação, pensando na prevenção de problemas dentários?

    EPG: O mais indicado é que a alimentação seja o mais natural possível. Hoje as nutricionistas infantis indicam que é melhor a criança comer a fruta ao invés de fazer o suco, por conta do índice glicêmico. Quando a gente dá uma laranja, o bebê fica saciado e ainda tem fibra. Para fazer um suco de laranja é preciso espremer várias laranjas, então a quantidade de frutose é muito maior do que o de uma fruta inteira.

    Escovação

    De acordo com a odontopediatra Erika Perini, é extremamente importante o uso do creme dental com flúor após o nascimento do primeiro dentinho. Apesar das diversas dúvidas acerca deste mineral, seu uso ajuda no fortalecimento dos dentes.

    Imagem ilustrativa sobre a quantidade ideal de creme dental na escovação infantil
    Imagem ilustrativa sobre a quantidade ideal de creme dental na escovação infantil | Foto: Divulgação

    ET: Diante das dúvidas sobre os benefícios e malefícios do flúor, como deve ser a verdadeira aplicação do creme dental?

    EPG: O que precisamos controlar num bebê que não sabe cuspir é a quantidade de flúor colocada nas cerdas da escova. De zero a três anos é como se fosse o tamanho de um arroz cru, então é bem pouquinho. Quando controlada a quantidade, então não há o risco de uma fluorose - que são as manchas que dão no dente permanente em formação. As pessoas não precisam ter medo de usar o flúor, é preciso ter cuidado com a quantidade.

    ET: Muitos pais desistem da escovação porque é difícil controlar um bebê de sete, oito meses que se debate, às vezes não aceita a escova na boca. Qual a sua dica nesse momento, em que pode se adquirir um trauma?

    EPG: Os pais não podem desistir e é preciso encontrar artifícios para entreter as crianças. Por exemplo, levem um vídeo para o banheiro na hora da escovação, cantem a musiquinha favorita e, acima de tudo, tenham muita paciência. Não briguem ou batam, pois precisamos tornar o momento da escovação algo prazeroso para no futuro a criança, saber que aquilo é para o bem da saúde dela e se torne algo natural e sem traumas.

    Dores

    Segundo Erika, a partir dos cinco meses começa uma irritação natural no bebê, o sono começa a mudar e a criança passa a babar mais, porque começa a coçar a gengiva em volta dos dentinhos devido a uma substância liberada, que realmente incomoda a criança.

    ET: O que os pais e responsáveis podem fazer para aliviar as dores que o bebê sente durante essa fase? É indicado o uso de pomadas anestésicas?

    EPG: Hoje existem os mordedores de gel, que podem ser colocados dentro da geladeira e o geladinho do gel alivia. Não existe comprovação científica de que essas pomadas anestésicas façam efeito real e ainda existe um risco, pois os bebês acabam engolindo essas substâncias anestésicas. Existem pós à base de camomilina c, que é natural e dá uma acalmada no bebê.

    Chupeta

    Erika afirma que independente do valor ou se elas são chamadas de ortodôntica, qualquer tipo causa problemas na dentição das crianças.

    ET: Há um grande conflito entre os pais com relação ao uso da chupeta. As vezes levar o item até a boca do bebê é a única forma de acalmar a criança. O que fazer?

    EPG: Eu costumo deixar livre para os pais a questão de usar ou não a chupeta. Sabemos que é difícil acalmar um bebê, mas infelizmente qualquer chupeta faz mal para o dentinho que está em formação. Orientamos que se já deu a chupeta, o ideal é que se descontinue o hábito até os três anos de idade. Não vejo problema em crianças que só dormem com o bico, até porque cai da boca durante a noite. O que não pode acontecer é a criança estar distraída, brincando e alguém vai lá e enfia a chupeta na boca do bebê sem necessidade.

    A dentição da criança pode ficar deformada ao chupar o dedo
    A dentição da criança pode ficar deformada ao chupar o dedo | Foto: Divulgação

    ET: Além de causar má formação no dente, a chupeta pode levar a outros problemas?

    EPG: Pode acontecer que o uso excessivo faça com que crianças de cinco, seis anos de idade utilizem prematuramente o aparelho ortodôntico. Alguns pacientes não conseguem falar direito certos fonemas e isso pode atrapalhar até na alfabetização. Então, sim, tanto a chupeta, quanto a mamadeira, podem causar problemas. Vale lembrar que o dedo na boca é pior, porque a chupeta nós conseguimos trocar com o Papai Noel por um presente, mas o dedo não, então não permitam que a criança chupe o dedo.

    É interessante que mães, pais e responsáveis procurem sempre a ajuda de um profissional para sanar as dúvidas sobre cuidados e dicas sobre a saúde bucal do neném.

    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais

    Flúor: vilão ou aliado no cuidado com os dentes?

    Diabetes causa cegueira? Médico do AM explica a retinopatia diabética

    Você sabe qual ritmo do seu coração? Especialista no AM explica

    Comentários